Rio de Janeiro Polícia indicia jogador Ramírez por injúria racial contra Gerson

Polícia indicia jogador Ramírez por injúria racial contra Gerson

Durante partida pelo Brasileirão, vítima afirmou que colombiano se dirigiu a ele e disse: "Cala a boca, negro". Já Ramírez nega

A Policia Civil do Rio indiciou, nesta quinta-feira (4), o jogador colombiano Ramírez, do Bahia, pelo crime de injúria racial contra o meia Gerson, do Flamengo.

Gerson denunciou ofensa racista

Gerson denunciou ofensa racista

Reprodução/Redes sociais

O caso aconteceu na partida entre Flamengo e Bahia no Maracanã, em dezembro, pelo Campeonato Brasileiro.

Durante o jogo, Gerson afirmou que Ramírez se dirigiu a ele e disse: "Cala a boca, negro". Já Ramírez negou ter sido ofensivo. O colombiano declarou ter dito: Joga rápido, irmão."

A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) informou ter ouvido todas as testemunhas, além de ter analisado a súmula do jogo e as imagens apreendidas.

A investigação apontou a imediata reação da vítima, que ficou muito abalada com a agressão sofrida, passando a apresentar comportamento diferente do normal no vestiário, muito cabisbaixo e se recusando a encontrar parte do elenco após o jogo.

Gerson declarou que estava tão indignado que, logo após o encerramento da partida, ainda no gramado, precisou externar a indignação em entrevista para imprensa.

A delegacia especializada concluiu que o conjunto de provas corroborou a versão da vítima desde o momento em que disse ter sofrido a agressão até o comportamento de Gerson após o término da partida.

Em nota, o Bahia lamentou o indiciamento de Ramírez e questionou a condução do caso pela polícia do Rio. O clube declarou que não desmerece a palavra de Gerson, mas também considera a presunção de inocência do atleta colombiano. 

Leia a nota oficial

"O Esporte Clube Bahia vem a público lamentar o indiciamento do meia-atacante colombiano Indio Ramírez pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, muito embora a notícia não cause surpresa, tendo em vista as manifestações públicas preliminares da delegada do caso à imprensa especializada.

'Nosso jogador'. Assim ela se referiu ao volante Gerson, do Flamengo, responsável pela acusação – e que não compareceu ao depoimento perante a Justiça Desportiva -, indicando espectro de notória parcialidade.

O clube teve acesso à integralidade dos depoimentos colhidos no inquérito e pode afiançar à sociedade e à torcida tricolor que a decisão foi absolutamente despida de qualquer fundamentação probatória.

Em todos os momentos do episódio, o Bahia se comportou em busca da verdade dos fatos, sem desmerecer a palavra de Gerson, mas também considerando a presunção de inocência do seu atleta e a necessidade de se produzir prova robusta e incontestável.

Sem a apresentação de fatos novos, conforme aguardamos por mais de um mês, a diretoria tricolor seguirá apoiando Ramírez e tem convicção de será feita Justiça, ao tempo em que reafirma a sua posição de clube expoente da luta antirracista no futebol brasileiro".

Últimas