Rio de Janeiro Polícia prende 9 pessoas e impede prejuízo de R$ 5 milhões na Cedae

Polícia prende 9 pessoas e impede prejuízo de R$ 5 milhões na Cedae

Suspeitos tentaram furtar 900 tubos de abastecimento de água em uma área de Mangaratiba; companhia passa por leilão

  • Rio de Janeiro | Rafael Nascimento, do R7 *

Companhia passa por leilão à iniciativa privada

Companhia passa por leilão à iniciativa privada

Agência Brasil

Policiais civis da 165ª DP (Mangaratiba), em ação integrada com a Guarda Municipal, prenderam em flagrante, nesta quinta-feira (29), nove pessoas acusadas de tentar furtar 900 tubos de abastecimento de água da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro).

O material, avaliado em R$ 5 milhões, estava em uma área pública da Prefeitura de Mangaratiba, região da Costa Verde do Estado do Rio.

Os suspeitos foram surpreendidos quando tentavam retirar o material. Eles estavam disfarçados de funcionários da empresa e usavam cinco carretas e um caminhão munck (veículo com guindaste) para levar os tubos de abastecimento.

Leilão

Em abril deste ano, a companhia foi leiloada à iniciativa privada dividida em quatro blocos. O pregão arrecadou R$ 22,6 bilhões, superando as expectativas com arrecadação 114% maior do que o previsto, que era de R$ 10,6 bilhões.

O consórcio Aegea, representado pela corretora Ativa, foi o vencedor do leilão pelos blocos 1 e 4. O lote 1, que comprende 18 bairros da zona sul da capital fluminense e outras 18 cidades, foi o mais caro e acabou arrematado por R$ 8,2 bilhões. Já o bloco 4, que contempla as regiões centro e norte da capital, além de outras oito cidades, teve uma proposta final de R$ 7,2 bilhões.

O consórcio Iguá Projetos, representado pela corretora BTG, venceu o leilão pelo bloco 2, o segundo mais caro. O grupo ofereceu um lance de R$ 7,2 bilhões. O lote inclui os bairros Barra da Tijuca e Jacarepaguá, além dos municípios de Miguel Pereira e Paty do Alferes.

Bloco 3 sem vencedor

O bloco 3 era o mais barato do leilão, com lance mínimo de R$ 908 milhões, e inclui a zona oeste do Rio e outros seis municípios. O consórcio Aegea foi o único a apresentar proposta, mas como arrematou os blocos 1 e 4, desistiu do negócio e o lote foi considerado sem vencedor.

O lote de ativos vai ser colocado novamente em disputa na primeira metade de dezembro deste ano, com novos termos, segundo o governador do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Celso Fonseca

Últimas