Rio de Janeiro Polícia resgata vítima que seria queimada viva pela milícia no RJ

Polícia resgata vítima que seria queimada viva pela milícia no RJ

Equipes da Polícia Civil fazem força-tarefa contra grupo paramilitar que atua na zona oeste e na Baixada Fluminense

Força-tarefa apreende fuzil com miliciano

Força-tarefa apreende fuzil com miliciano

Reprodução/Record TV

A Polícia Civil do Rio impediu a morte uma vítima na comunidade dos Jesuítas, na zona oeste do Rio, durante uma ação da força-tarefa contra uma milícia que atua na região e na Baixada Fluminense.

Segundo a corporação, a vítima estava amarrada e prestes a ser queimada viva por milicianos ligados ao grupo do Tandera. No local, foram apreendidos galões de combustível. Os suspeitos fugiram com a chegada da polícia, mas a vítima passa bem.

O objetivo da ação é prender milicianos, asfixiar as fontes de renda e interromper comércios e serviços ilegais explorados pela organização criminosa.

Agentes da DRE (Delegacia de Repressão a Entorpecentes) prenderam Fagner Penha da Silva, conhecido como Artilheiro, que é responsável por realizar cobranças de dívidas e homicídios de inadimplentes na época em que o grupo era liderado por Ecko.

Contra Artilheiro, havia mandado de prisão por homicídio, já que ele era um dos matadores da milícia, que além de executar, ocultava os cadáveres. Após a morte de Ecko, ele também passou a ser segurança de Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho.

Outros quatro milicianos foram presos por outras delegacias, além de serem apreendidos fuzis, pistolas, munições, carregadores e coletes balísticos do grupo paramilitar.

Estabelecimentos de venda irregular de gás e provedores de internet clandestinos foram interditados, por serem atividades ilegais investigadas.

Além delas, a polícia também investiga cobranças irregulares de taxas de segurança e de moradia; instalações de centrais clandestinas de TV a cabo e de internet (gatonet/gatointernet); armazenamento e comércio irregular de botijões de gás e água; empresas de GNV ilegais; parcelamento irregular de solo urbano; exploração e construção de imóveis irregulares, areais e outros crimes ambientais; comercialização de produtos falsificados; contrabando; descaminho; transporte alternativo irregular; estabelecimentos comerciais explorados pela milícia e utilizados para lavagem de dinheiro, entre outras.

Últimas