Rio de Janeiro Prefeitura do Rio derruba imóveis construídos pela milícia

Prefeitura do Rio derruba imóveis construídos pela milícia

Nos últimos três anos, já foram demolidas 42 construções irregulares na região da Colônia Juliano Moreira, uma área federal de Jacarepaguá

  • Rio de Janeiro | Da Agência Brasil

Dezessete construções irregulares foram demolidas

Dezessete construções irregulares foram demolidas

Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação da prefeitura do Rio, por meio da Coordenadoria de Operações Especiais, demoliu nesta sexta-feira (16), 17 construções erguidas irregularmente na Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio. A milícia tomou conta do local e vem vendendo lotes para construção de imóveis irregulares no terreno.

Ações semelhantes estão sendo feitas constantemente pela prefeitura na Colônia Juliano Moreira, uma área federal, administrada pela prefeitura. Nos últimos três anos, já foram demolidas 42 construções irregulares na região.

De acordo com a prefeitura, a área da Colônia é do mesmo tamanho do bairro de Copacabana. O local tem sido utilizado nos últimos anos para grilagem de terra. A atividade, de cunho especulativo, tem como objetivo a expansão de pequenas construções residenciais ou comerciais, e é considerada um dos ramos de negócio da milícia que aterroriza os moradores da zona oeste.

A estratégia de construção para evitar a demolição pela prefeitura é semelhante em todas as áreas dominadas pela milícia. São erguidas casas simples, e nelas são instaladas famílias para morar, evitando, assim, a demolição administrativa imediata. E, no mesmo lote, estruturas mais resistentes são construídas para suportar outros pavimentos. Em pouco tempo, um prédio acaba sendo erguido.

A ação teve o apoio do 18º Batalhão da Polícia Militar (Jacarepaguá) e da Guarda Municipal. Algumas construções já tinham sido embargadas anteriormente, mas os fiscais constataram descumprimento total dos embargos com o prosseguimento das obras ilegais.

Últimas