Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio tem 15 tiroteios por dia, segundo instituto

Região Metropolitana do Rio tem 15 tiroteios por dia, segundo instituto

Levantamento do Fogo Cruzado aponta que número de agentes de segurança baleados é 27% maior que mesmo período de 2020

Resumindo a Notícia

  • Ações de rotina e operações policiais aumentaram em 7% neste ano
  • Número de mortes por armas de fogo nessas ocasiões cresceu em 19%
  • Leste Fluminense liderou lista de disparos feitos na presença de agentes, com 34% do total
  • Das 37 chacinas que aconteceram no Grande Rio nestes seis meses, 32% delas foram na Baixada
Levantamento traz panorama sobre violência no RJ

Levantamento traz panorama sobre violência no RJ

Mario Tama/ Staff/Getty Images

O relatório semestral do Instituto Fogo Cruzado, divulgado nesta segunda-feira (12), aponta que a Região Metropolitana do Rio de Janeiro registrou uma média de 15 tiroteios por dia. De acordo com o levantamento, o número de agentes de segurança baleados é 27% maior que o registrado no mesmo semestre de 2020.

Além disso, o estudo aponta que metade dos disparos de arma de fogo deixaram mortos ou feridos no Leste Metropolitano e, só no primeiro semestre deste ano, ações policiais de alta letalidade cresceram 67% se comparadas ao mesmo período do ano passado.

Depois do aumento da criminalidade no estado, o Supremo Tribunal Federal aprovou, em junho de 2020, a ADPF 635, que proíbe operações policiais não essenciais em favelas e periferias. No entanto, os dados do relatório disponibilizado pelo Instituto Fogo Cruzado apontam que ações de rotina e operações policiais aumentaram em 7% neste ano, inclusive com crescimento do número de mortes por armas de fogo nessas ações (19%).

Completado um ano da restrição, o número de tiroteios caiu 23%, em relação ao período anterior à vigência da medida, e o de pessoas baleadas caiu ainda mais: 26%, mas a proporção de tiroteios com vítimas – que ocorrem majoritariamente em casos com presença policial – se manteve estável. 

Relatório do Fogo Cruzado mostra números da violência no Rio de Janeiro no 1º semestre de 2021

Relatório do Fogo Cruzado mostra números da violência no Rio de Janeiro no 1º semestre de 2021

Reprodução/Instituto Fogo Cruzado

Tiroteios e disparos 

Apesar estar em terceiro lugar no ranking de tiroteios (594), atrás da zona zorte (871) e da Baixada Fluminense (630), o Leste Fluminense liderou a lista de disparos feitos na presença de agentes, com 34% do total.

Assim como em confrontos com policiais, a região liderou o número de mortos e feridos no Grande Rio. Isto significa que o leste do estado apresenta maior risco de morte para a população.

Aumentaram também os tiroteios causados por assaltos (57%) e disputas por território
entre grupos de traficantes e/ou milicianos (392%). 

Chacinas 

Segundo o Instituto, a Baixada Fluminense foi a que concentrou o maior número de chacinas, quando há três ou mais pessoas mortas por arma de fogo no mesmo caso. Pelo relatório, das 37 chacinas que aconteceram no Grande Rio nestes seis meses, 32% delas foram na Baixada.

Casos como o do Jacarezinho, em que há muitas vítimas fatais, foram comuns no Rio de Janeiro, com uma média de dois por mês, deixando 49 vítimas neste semestre.

Ainda de acordo com o levantamento, as chacinas aumentaram seis vezes e o número de mortes subiu mais de oito vezes na Baixada, enquanto nas zonas sul e oeste da capital houve queda desse tipo de crime.

Alguns casos

Alice Pamplona, de 6 anos, foi baleada durante a queima de fogos da virada do ano, tornando-se a primeira vítima fatal da violência armada.

Kathlen Romeu, de 24 anos, grávida de 14 semanas, foi atingida com um tiro de fuzil no tórax, na comunidade do Lins, quando visitava a avó. Já o fotógrafo, Thiago Freitas de Souza, 32 anos, foi alvejado em Niterói após pedir silêncio para que o seu bebê pudesse dormir.

Mortes de agentes de segurança 

O policial civil, André Frias, foi morto a tiros durante a operação policial no Jacarezinho. Além dele, o Instituto Fogo Cruzado registrou 94 agentes de segurança baleados na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, 38 morreram e 56 ficaram feridos.

Cerca de 44% dos agentes foram atingidos. O número de baleados fora de serviço também aumentou, em 29%.

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas