Rio de Janeiro Rio abre 10 novos leitos para casos graves do novo coronavirus

Rio abre 10 novos leitos para casos graves do novo coronavirus

Unidade passa por ampliação do atendimento e até o fim do cronograma, que depende da chegada de equipamentos, somará 201 leitos, diz prefeitura

  • Rio de Janeiro | Da Agência Brasil

Hospital recebeu mais dez leitos de UTI

Hospital recebeu mais dez leitos de UTI

Reprodução/Google Street View

O Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, em Acari, zona norte do Rio de Janeiro, conta a partir desta sexta-feira (17) com mais dez leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) abertos pela prefeitura. Referência na capital para o tratamento de casos graves da covid-19, o hospital passa a ter 60 leitos de UTI.

Covid-19: Rio tem primeira morte de presidiário confirmada

A unidade passa por ampliação do atendimento e até o fim do cronograma, que depende da chegada de equipamentos, somará 201 leitos somente para tratamento intensivo. No fim, dos 201 leitos previstos de UTI, 19 serão pediátricos.

Atualmente, o Ronaldo Gazolla tem 160 leitos ativos. Esse número deve subir para 381 no término do cronograma. Os novos leitos, segundo a prefeitura, serão abertos progressivamente. Nesta quinta-feira, após apresentar equipamentos que serão utilizados no Hospital de Campanha da Prefeitura no Riocentro, o prefeito Marcelo Crivella informou que o município aguarda a chegada de mais equipamentos e comentou a contração de profissionais.

“O cronograma de abertura de leitos de UTI e de clínica médica no Gazolla segue como planejado. Aguardamos a chegada dos novos equipamentos, entre respiradores e carrinhos de anestesia, que poderão ser também usados nos cuidados intensivos dos pacientes do novo coronavírus. Ao mesmo tempo, a Secretaria Municipal de Saúde está contratando os profissionais necessários para o adequado atendimento", disse.

De acordo com a prefeitura, o Ronaldo Gazolla atua também como centro de capacitação dos profissionais para o atendimento a pacientes com a covid-19, como os que vão trabalhar no hospital de campanha da prefeitura, que está em fase final de conclusão no Riocentro, na zona oeste do Rio.

Contratação

Nesta sexta-feira, a RioSaúde, empresa municipal de administração de unidades de saúde da capital, receberá a documentação de 746 profissionais de saúde e pessoal de apoio que fizeram inscrição para vagas temporárias criadas na cidade para o combate ao novo coronavírus. As convocações foram publicadas ontem no Diário Oficial do Município e no site da RioSaúde.

Os profissionais contratados vão trabalhar nos hospitais de campanha da prefeitura no Riocentro, no Federal de Bonsucesso e no Universitário Clementino Fraga Filho, conhecido como Hospital do Fundão da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Drone

Hoje também, a prefeitura levou para a zona sul, o Comboio do Disk-Aglomeração, equipado com o drone, que emite mensagens em locais onde se identifica um número maior de pessoas sem respeitar as regras de isolamento social. Ontem em teste feito em Campo Grande, o drone chamou atenção de pessoas que estavam no local e, ao contrário do que se pretendia, acabou juntando pessoas em volta.

Conforme a prefeitura, até quarta-feira (15), o Disk Aglomeração, que recebe denúncias de aglomerações na cidade, fez 2.260 atendimentos. Campo Grande, Realengo, Bangu, Centro, Santa Cruz, Tijuca, Copacabana, Taquara, Barra da Tijuca e Madureira, foram os bairros com o maior número de chamados.

Últimas