Novo Coronavírus

Rio de Janeiro Rio: hospital de campanha no Maracanã é inaugurado

Rio: hospital de campanha no Maracanã é inaugurado

Neste fim de semana serão abertos 170 dos 400 leitos do hospital, sendo 50 de UTI e 120 de enfermaria. Unidade foi construída em 38 dias

  • Rio de Janeiro | Raíza Chaves, do R7*

Ministro da Saúde junto ao governador do Rio, Wilson Witzel

Ministro da Saúde junto ao governador do Rio, Wilson Witzel

Divulgação/ Governo do Estadio

O Governo do Estado inaugura neste sábado (9) o hospital de Campanha do Maracanã para pacientes em estado grave do novo coronavírus. Ele foi construído em 38 dias e funcionará na área externa do estádio.

Veja também: UFRJ recomenda ao Ministério Público bloqueio total no RJ

Neste fim de semana serão abertos 170 dos 400 leitos do hospital, sendo 50 de UTI e 120 de enfermaria. Os outros 230 ainda vão ser finalizados e serão entregues à população até a próxima sexta-feira (15).

Segundo o governador do Rio, Wilson Witzel o hospital tem uma complexidade maior que o feito na China, em 30 dias.

"Em São Paulo de 9 a 10% dos hospitais são destinados à UTI. Aqui, 100% dos hospitais serão destinados à UTI", disse ele. 

Na sexta-feira (8), o governador visitou o hospital acompanhado do ministro da Saúde, Nelson Teich, do vice-governador Cláudio Castro, e dos secretários de Saúde Edmar Santos, de Governo Cleiton Rodrigues e Felipe Bornier, do Esporte, Lazer e Juventude.

O secretário de Saúde, Edmar Santos informou também que na segunda-feira (11) serão abertos 80 dos 200 leitos do hospital de Campanha do Parque dos Atletas, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio e que outros 20 leitos também serão entregues ao longo da próxima semana.

No hospital de Campanha do Leblon, na zona sul, construído no terreno ao lado do 23° Batalhão da PM, serão abertos na segunda-feira (11) os 100 leitos que faltavam, completando o total de 200.

Na unidade que inagura neste sábado, há dois equipamentos de tomografia computadorizada e aparelhos de ultrassom, raio-X portátil e hemodiálise. O hospital tamém terá um computador que permitirá aos pacientes internados conversar por videoconferência com os parentes em casa.

Além de aumentar a oferta de leitos públicos, o governo também tentará obter vagas em leitos da rede privada. Em reunião nesta sexta-feira (8), o governador Wilson Witzel informou a dirigentes de federações e sindicatos de hospitais e estabelecimentos de saúde que até terça-feira (12) deverá editar decreto requisitando leitos particulares em todo o Estado do Rio para complementar o atendimento às vítimas da covid-19.

Por determinação do governador, a SES (Secretaria Estadual de Saúde) vai enviar um ofício às instituições privadas requerendo as planilhas de custos de operação de leitos de UTI e enfermaria na rede privada, além de informações sobre o número de leitos vagos na rede particular de todo o estado. 

Witzel também decidiu fazer um chamamento público aos médicos e demais profissionais de saúde de outros estados que queiram trabalhar no Rio de Janeiro no atendimento às vítimas do coronavírus, inclusive em hospitais de campanha.

O governador também pedirá ao Ministério da Saúde auxílio na contratação de profissionais de saúde da China e de outros países que já venceram a epidemia de coronavírus.

Para dar transparência ao processo, haverá ampla divulgação de todas as informações a respeito dessas requisições.

*Sob supervisão de PH Rosa

Últimas