Caso Henry

Rio de Janeiro Rio: Jairinho vira réu por violência sexual contra ex-namorada

Rio: Jairinho vira réu por violência sexual contra ex-namorada

Jairo Souza também é denunciado pelos crimes de lesão leve, lesão grave e lesão na modalidade de dano à saúde emocional

  • Rio de Janeiro | Inácio Loyola*, do R7

O ex-vereador Dr. Jairinho virou novamente réu, após o 3° Juizado de Violência Doméstica de Jacarepaguá aceitar, na última semana, a denúncia do MP (Ministério Público) sobre o crime de estupro contra uma ex-namorada.

Jairinho é acusado de violência sexual

Jairinho é acusado de violência sexual

Tânia Rêgo/Agência Brasil

O MP, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal de Violência Doméstica da área Oeste/Jacarepaguá do Núcleo Rio de Janeiro, entrou com um pedido de prisão preventiva. O processo corre em segredo de Justiça.

Jairo Souza também é denunciado por crimes de lesão leve, lesão grave, vias de fato e lesão na modalidade de dano à saúde emocional, que foram cometidos no período de 2014 a 2020.

Em 2015, Jairinho teria drogado a ex-companheira e praticado ato sexual com ela sem o seu consentimento.

Já em 2016, o ex-vereador cometeu ofensas verbais e agressões físicas mediante chutes, tendo atingido sua então namorada no pé, o que levou à fratura do quarto artelho.

No ano de 2020, o casal passava um fim de semana em Mangaratiba quando Jairo se irritou porque a companheira não lhe permitira livre acesso ao celular dela. Ele aplicou um mata-leão na vítima e a arrastou para fora da casa, onde a agrediu.

Em abril de 2020, o denunciado obrigou a ex-namorada a entrar no seu carro, onde a agrediu com puxões de cabelo e um soco na lateral da face. A motivação da agressão teria sido um comentário feito pela vítima nas redes sociais.

Segundo a denúncia, Jairo utilizou diversas táticas de atemorização: rondava a residência da vítima, ligava inúmeras vezes durante o dia e a noite a fim de controlá-la, invadia seu domicílio, realizava ameaças diretas contra a pessoa da vítima e seus filhos.

Ele também obrigou a ex-companheira a deixar seu emprego, desqualificava a vítima e sua atividade laborativa, utilizava-se de seu cargo político, prestígio e poder para fazer crer que tudo poderia cometer e que jamais receberia qualquer tipo de reprimenda legal. 

De acordo com a denúncia, "os fatos tiveram como pressuposto motivação de gênero ou situação de vulnerabilidade decorrente da subjugação ou submissão feminina ocorrida dentro de uma relação íntima, ocasionando violência doméstica consubstanciada em opressão contra a mulher".  

*Estagiário do R7, sob supervisão de Paulo Guilherme

Últimas