Rio de Janeiro Rio: mulher é libertada de cárcere privado em casa de prostituição

Rio: mulher é libertada de cárcere privado em casa de prostituição

Vítima veio de Minas Gerais para trabalhar em uma vaga de emprego divulgada nas redes sociais; gerente da casa foi detida

  • Rio de Janeiro | Rafael Nascimento do R7 *, com Record TV Rio

Local onde a vítima foi resgatada

Local onde a vítima foi resgatada

Reprodução/ Record TV Rio

Policiais Civis da 21ªDP (Bonsucesso), com apoio de agentes da 29ª DP (Madureira), resgataram no final da tarde da última quinta-feira (5) uma mulher vítima de exploração sexual e cárcere privado no bairro de Madureira, na zona norte do Rio de Janeiro.

A vítima é do Estado de Minas Gerais e tinha vindo para cidade do Rio há dois dias, atraída por um anúncio nas redes sociais de uma vaga de emprego em uma lanchonete que prometia pagamento de um bom salário além de moradia. Assim que a mulher chegou ao Rio, foi levada ao município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e obrigada a se prostituir de maneira presencial e por videochamadas.

A quadrilha retirou o celular da vítima e a manteve em cárcere privado sendo liberada apenas para fazer os programas, sob ameaças. A mulher chegou a ser estuprada mediante violência física pelo líder do grupo criminoso.

Durante um dos programas, um cliente percebeu que a vítima se encontrava tremendo e muito nervosa. O cliente questionou o motivo do comportamento, a mulher relatou o ocorrido e pediu que o homem fizesse contato com o ex-namorado dela, em Minas  Gerais, e que informasse o site do grupo. O ex-companheiro da vítima entrou em contato com a polícia mineira.

A Polícia Militar de Minas comunicou os fatos à Polícia Civil do Rio, por intermédio de agentes do setor de inteligência da 21 DPª (Bonsucesso), que após uma intensa investigação realizada, descobriu que a casa de prostituição havia mudado de endereço.

Embora no site da quadrilha o endereço da casa de prostituição sinalize como em Duque de Caxias, as atividades passaram a ser realizadas no bairro de Madureira, na zona norte da capital fluminense, em um ambiente em condições precárias. A vítima foi transferida com uma venda nos olhos para o novo local.

Solicitado apoio da 29ª DP (Madureira), agentes da 21ª DP (Bonsucesso) estouraram a casa de prostituição, prenderam uma das gerentes e libertaram a vítima. Karen Lourenço de Souza, 22 anos, foi presa e vai responder por organização criminosa, cárcere privado e favorecimento à prostituição e casa de prostituição.

Segundo o delegado titular da 21ª DP (Bonsucesso), Hilton Alonso, nas investigações realizadas antes e durante a prisão, já foram identificados outros três integrantes do grupo criminoso, inclusive o líder da quadrilha que estuprou a vítima, os quais serão indiciados.

*Estagiário do R7 sob supervisão de PH Rosa

Últimas