Novo Coronavírus

Rio de Janeiro Rio: na primeira noite de restrições, maioria dos bares segue regra

Rio: na primeira noite de restrições, maioria dos bares segue regra

Reportagem passou por 48 bares da cidade e apenas dois deles estavam recebendo clientes após às 20h

Agência Estado
Bares do Rio só podem funcionar até as 20h

Bares do Rio só podem funcionar até as 20h

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Na noite desta sexta-feira (5), a primeira em que bares e restaurantes do município do Rio de Janeiro deveriam fechar às 20h, por ordem da prefeitura, como medida para evitar aglomerações e combater a disseminação do coronavírus, a maioria dos estabelecimentos visitados pela reportagem seguiu a norma.

Entre 20h e 22h, o Estadão passou por pelo menos 48 bares ou restaurantes nos bairros de Copacabana, Ipanema, Leblon (zona sul), Tijuca, Grajaú, Praça da Bandeira (zona norte) e Lapa (centro). Apenas dois estavam abertos e recebendo clientes, um na avenida Atlântica, em Copacabana, e outro na Praça da Bandeira. Oito estavam funcionando, mas sem público no local (o que é permitido, já que o estabelecimento pode entregar comida depois das 20h), e 38 estavam fechados.

O decreto municipal previa o fechamento a partir das 17h, mas a seccional carioca da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-RJ) conseguiu uma ordem judicial provisória autorizando que esses estabelecimentos funcionassem até as 20h. A prefeitura vai recorrer, mas por enquanto o que vale é esse horário das 20h.

Às 21h, a rua Dias Ferreira, que a essa hora, especialmente às sextas-feiras e sábados, fica completamente tomada pelos frequentadores de bares e pessoas que bebem drinques na rua mesmo, nesta sexta-feira estava praticamente vazia. A mesma situação foi flagrada pela reportagem na avenida Mem de Sá, na Lapa, outro ponto tradicional de concentração de boêmios no Rio.

Outra regra que começou a vigorar nesta sexta-feira, a proibição da reunião de grupos de pessoas pelas ruas a partir das 23h, não foi cumprida pelo menos na zona sul do Rio. Entre 23h30 e meia-noite, a reportagem flagrou concentrações de pessoas, conversando nas ruas, em Copacabana e Ipanema.

Últimas