Rio de Janeiro Rio: Polícia prende 12 suspeitos de fraudes e envolvimento com tráfico

Rio: Polícia prende 12 suspeitos de fraudes e envolvimento com tráfico

De acordo com investigadores, quadrilha do Complexo da Maré, zona norte, faturaria entre R$ 600 mil e R$ 1 mi por mês com golpes em cartões de crédito

Polícia apreendeu objetos usados para realizar golpe

Polícia apreendeu objetos usados para realizar golpe

Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu na última terça-feira (10) 12 pessoas suspeitas de envolvimento com uma quadrilha que realizava fraudes bancárias e tinha ligação com o tráfico do complexo da Maré, na zona norte do Rio. O lucro mensal do grupo variava entre R$ 600 mil e R$ 1 milhão a partir de golpe.

Professores da rede municipal do Rio mantêm greve

Segundo as investigações, a quadrilha iniciava o primeiro contato com a vítima perguntando se ela havia feito uma suposta compra fora de seu padrão. Após a resposta negativa, o grupo instruía a pessoa a ligar para o número oficial do banco atrás do cartão.

A partir de um programa de computador, a quadrilha incluía na ligação sons semelhantes ao de um telefone chamando, o que levava a vítima a acreditar que estava sendo transferida para o número do banco. Em seguida, outras gravações eram colocadas na chamada telefônica pedindo para que a pessoa digitasse o número do cartão e a senha, dados que posteriormente ficavam registrados no software de fraude do grupo.

O passo seguinte da quadrilha era informar a vítima que ela precisava levar o cartão em uma central de descarte. Caso não pudesse, um motoboy passaria na casa dela para retirar o objeto. Após o passo final do golpe, o grupo possuía os dados e o cartão necessário para realizar compras virtualmente e em lojas físicas.

RJ: Polícia investiga denúncia de estupro contra menina de 7 anos

Durante a ação, a Polícia Civil apreendeu 11 notebooks, nove máquinas de cartão, 50 cartões de crédito, telefones celulares e anotações com instruções para a realização do golpe. Em nota, a instituição destacou que as facções criminosas buscam diversificar sua área de atuação para aumentar a arrecadação.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas