Coronavírus

Rio de Janeiro Rio quer Réveillon com palcos em Copacabana e mais 10 bairros

Rio quer Réveillon com palcos em Copacabana e mais 10 bairros

Apesar de decreto, Paes disse que realização de eventos depende do cenário epidemiológico da covid-19 em dezembro

Agência Estado
Areias de Copacabana ficaram vazias na virada de 2020 para 2021

Areias de Copacabana ficaram vazias na virada de 2020 para 2021

Antonio Lacerda/EFE - 31.12.2020

A Prefeitura do Rio anunciou nesta sexta-feira (6) que a festa de Réveillon na cidade terá três palcos em Copacabana e shows em mais dez locais. O anúncio consta em publicação no Diário Oficial do município, que faz chamamento a empresas interessadas em apresentar propostas para os eventos em Copacabana e nas demais regiões.

O prefeito Eduardo Paes (PSD), no entanto, ressaltou no início da manhã que a realização de fato das festas ainda vai depender do cenário epidemiológico no mês de dezembro. Atualmente, a cidade apresenta um avanço nos casos de contaminação pela variante delta do coronavírus, o que levanta dúvidas sobre medidas de flexibilização de restrições em vigor atualmente.

"O Réveillon é daqui a cinco meses. Se fosse amanhã, seria incoerência (realizar), mas tudo aponta para uma enorme possibilidade de termos, e não dá pra preparar um evento desses em um mês", pontuou Paes, lembrando que há trâmites legais a serem cumpridos para que empresas possam organizar o Réveillon.

O prefeito admitiu que o anúncio de flexibilização feito na semana passada, que prevê até mesmo a liberação do uso de máscaras dentro de poucos meses, pode não ter sido feito da melhor forma. Segundo ele, a intenção não era fazer um "oba-oba" mas sim sinalizar para uma melhora no futuro. "Eu quero olhar pra frente, a gente precisa se programar. Mas isso não quer dizer que tenhamos tudo resolvido (neste momento)", pontuou. "Se for preciso, a gente faz mais restrição. Se necessário for, não terei o menor temor em voltar atrás."

Últimas