Rio de Janeiro Rio: Síndica denunciada por morte de empresário irá a júri popular

Rio: Síndica denunciada por morte de empresário irá a júri popular

Priscilla de Oliveira e seu amante teriam assassinado Carlos Eduardo Montechiari, que descobriu fraudes em condomínio

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7*

Descoberta de fraude em condomínio motivou crime

Descoberta de fraude em condomínio motivou crime

Reprodução/Record TV

A Justiça do Rio de Janeiro determinou que a síndica acusada de planejar a morte de um empresário na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, em março deste ano, será encaminhada a júri popular.

Além de Priscilla Nunes de Oliveira, a decisão da juíza Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal do Rio, estabeleceu que o amante, Leonardo Lima, autor do assassinato, também deverá comparecer ao Tribunal do Júri.

Na determinação, Louro levou em consideração a confissão de Leonardo, além de imagens de câmeras de segurança que o apontam como executor do empresário Carlos Eduardo Montechiari, de 56 anos.

Segundo a juíza, Leonardo, que era supervisor do condomínio onde o empresário morava, afirmou que ele e Priscilla mantinham um caso amoroso e que ela lhe pediu para “dar um jeito” em Carlos. Ele teria dito, ainda, que foi a síndica quem lhe forneceu o endereço e momento em que a vítima poderia ser encontrada.

A magistrada destacou relatos de testemunhas que deram conta de que o empresário se sentia ameaçado e temia por sua vida. Na decisão, ela também manteve a prisão cautelar dos acusados como garantia da ordem pública, negando pedidos da defesa de ambos.

Relembre o caso

Priscilla e Leonardo foram presos em 16 de março deste ano, após serem apontados como suspeitos pela morte de Carlos Eduardo. O empresário foi assassinado a tiros em Vila Cosmos, na zona norte do Rio, em fevereiro.

A princípio, o crime foi tratado como latrocínio (roubo seguido de morte). No entanto, no decorrer das investigações, a polícia identificou que a síndica ordenou a morte de Carlos após o empresário descobrir que ela teria desviado mais de R$ 800 mil do orçamento do condomínio de alto padrão onde moravam.

Os agentes identificaram Leonardo como o atirador a partir do depoimento de uma testemunha que falava com a vítima no momento do crime.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas