Rio de Janeiro Rio: Taxa de positividade em testes de Covid-19 sobe de 6% para 13%

Rio: Taxa de positividade em testes de Covid-19 sobe de 6% para 13%

Segundo dados da prefeitura, na última semana de 2021 foram realizados 20.060 testes 

  • Rio de Janeiro | Inácio Loyola, do R7*

A cidade do Rio de Janeiro registrou um aumento no número de testes de Covid-19 no período festas de fim de ano. Segundo a SMS (Secretaria Municipal de Saúde), a taxa de positividade na detecção do coronavírus no município é de 13%.

Rio registra aumento de testes

Rio registra aumento de testes

Divulgação/Secretaria Municipal de Saúde do Rio

O Painel Rio Covid-19 registra quatro tipos de testes de coronavírus:  RT-PCR, antígeno, sorológico e anticorpo.

Os dados da plataforma apontam que na penúltima semana de 2021 (19/12 a 25/12) foram realizados 7.264 testes e na última semana (26/12 a 01/01) foram feitos 20.060 testes.

Além do aumento da testagem, a taxa de positividade na capital aumentou de 6% para 13% nas últimas duas semanas de 2021.

Atualmente, todas as regiões da cidade estão em bandeira verde, o que representa risco muito baixo para a transmissão da Covid-19. A taxa de internação está em 0,4%, com ocupação de 24 pacientes na rede de saúde.

Vacinação

Hoje, a campanha de vacinação contra a Covid-19, no Rio, está voltada para a aplicação da dose de reforço em pessoas com 18 anos ou mais, que tomaram a segunda dose há 4 meses ou mais. Os cariocas com alto grau de imunossupressão com 12 anos ou mais também podem tomar a dose de reforço.

A terceira dose pode ser adiantada para o intervalo mínimo de três meses em casos de viagem, problemas de saúde e outras questões pessoas.

As pessoas que ainda não tomaram a primeira dose também podem procurar os postos de saúde. As unidade também seguem com a aplicação da segunda dose para pessoas com 12 anos ou mais, respeitando o intervalo de cada fabricante: 12 semanas para AstraZeneca, 28 dias para CoronaVac e 21 dias para Pfizer.

É necessário apresentar identificação original com foto, número do CPF e, se possível, a caderneta de vacinação. Para a segunda dose e a dose de reforço é importante levar também o comprovante de vacinação.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas