Rio de Janeiro Rio tem 3 regiões administrativas com alto risco para a covid-19

Rio tem 3 regiões administrativas com alto risco para a covid-19

Apesar disso, prefeitura decidiu manter todas as 33 áreas com risco alto por conta da presença das novas variantes do vírus

  • Rio de Janeiro | Ana Beatriz Araújo, do R7*

O 8º boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura do Rio, nesta sexta-feira (26), apontou uma queda no número de áreas com alto risco para a covid-19. O índice caiu de seis para três regiões administrativas com grande chance de contágio em uma semana. 

Rio segue com classificação de alto risco em todas as regiões

Rio segue com classificação de alto risco em todas as regiões

Divulgação

Os bairros que seguem na classificação de alto risco são: Copacabana, Lagoa e Rocinha, todos na zona sul da cidade. Barra da Tijuca, Tijuca e Vila Isabel retornaram para o risco moderado. 

"Atenção aglomerados na Zona Sul. Fiquem espertos. Não arrisquem a vida dos seus entes queridos.", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes. 

Apesar de constatar uma melhora no cenário, Paes manteve todas as 33 áreas administrativas com classificação de alto risco para a covid-19, pela segunda semana seguida por conta da presença das novas variantes do coronavírus. Com isso, as medidas de restrição seguem as mesmas. 

Os últimos três casos foram confirmados pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) no dia 22 de fevereiro. São eles: uma idosa de 71 anos que já recebeu alta; uma jovem de 21 anos que não chegou a ser internada e está curada; e um homem de 54 anos que faleceu no último domingo (21).

Com isso, a capital registra sete pacientes diagnosticados com a nova cepa do vírus - seis com a variante de Manaus e um com a do Reino Unido. 

Questionado sobre a possibilidade de um lockdown na cidade, Paes afirmou que suas decisões serão baseadas nos critérios científicos.

"Existe uma pressão, às vezes, de uma parte da sociedade: por que não faz logo um lockdown? Tomamos decisões baseadas em dados, em ciência, que nos mostram que não há necessidade disso agora.  Se houver, a gente faz, não tem problema. Não faremos com prazer, mas, se tiver, faremos o que for preciso. Não é uma decisão política nem um jogo de disputa.  Os dados que temos hoje são positivos. Não quer dizer que amanhã não possa piorar. Vamos usar máscara, manter distanciamento social e evitar aglomerações.", disse Paes. 

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas