Bienal do Livro Rio

Rio de Janeiro RJ: ação leva crianças de Jardim Gramacho para a Bienal do Livro

RJ: ação leva crianças de Jardim Gramacho para a Bienal do Livro

Funcionários tiveram a ideia e organizaram a atividade, com direito a lanche, transporte, voucher e presentes para as crianças passarem um dia especial

Crianças acompanharam leituras e entrevistas

Crianças acompanharam leituras e entrevistas

Divulgação/Bienal do Livro

Uma ação comandada por funcionários da GL events, empresa que organiza a Bienal do Livro, levou 22 crianças do Instituto Amparando Jardim Gramacho para o evento nesta terça-feira (3) no Riocentro, zona oeste do Rio de Janeiro.

Veja também: Bienal do Livro: projeto incentiva inclusão de deficientes visuais

Milena Palumba, diretora da empresa contou como surgiu a ideia de trazer as crianças para a Bienal do Livro.

"A ideia é interna, uma ação voluntária dos funcionários da Gl Events. Temos uma pessoa dentro da nossa equipe, a Camila Sousa, que é envolvida e engajada e a gente já faz esse trabalho com eles há dois anos."

Os funcionários não só tiveram a ideia e organizaram a atividade como também continuam dando presentes e livros para as crianças, segundo Milena. 

"Temos alguns funcionários que adotam mensalmente essas crianças, vão ser entregues livros, alimentação e o voucher para eles gastarem da maneira que melhor entenderem no evento."

A idealizadora da ação, Camila Sousa, comentou que junto com uma amiga encontrou o instituto pela internet e que desde então está envolvida nas ações que ajudem as crianças do Jardim Gramacho.  

"Estamos trazendo esse momento tão especial que é ajudar e que muita gente não faz por falta de tempo. Além de estarmos orientando também essas pessoas e elas estão cada vez aderindo mais a ideia. É uma emoção ver essas crianças sendo incluídas em atividades que elas não poderiam ter, muitas não tem nem a oportunidade de sair da comunidade."

Para Roberta Azevedo, responsável do Instituto Amparando Jardim Gramacho, o dia foi de muito aprendizado para as crianças, que estão criando uma base na Bienal e vão ter continuidade no instituto.

"Nosso objetivo central nessa instituição é a parte social e educacional. Foi gratificante receber o convite e não esperávamos. Temos muita dificuldade em trazer eles em um evento assim e a transformação que a Bienal fazer fazer na vida de cada um deles é muito significativa. A gente leva a questão da leitura, da cultura e do desenvolvimento para eles."

As crianças aproveitaram um dia diferente, com a entrevista do cartunista Mauricio de Sousa que gerou muito expectativa neles.

*Sob supervisão de PH Rosa

Últimas