Novo Coronavírus

Rio de Janeiro RJ: Baixada tem maior taxa de contaminação por coronavírus

RJ: Baixada tem maior taxa de contaminação por coronavírus

Monitoramento Dados do Bem da covid-19 é feito desde final de abril e mostra que cinco cidades da região estão nas primeiras posições 

  • Rio de Janeiro | Da Agência Brasil

265.205 pessoas fizeram a autoavaliação no aplicativo

265.205 pessoas fizeram a autoavaliação no aplicativo

Reprodução

O monitoramento epidemiológico da covid-19 feito pela iniciativa Dados do Bem, em operação desde o final de abril, no Rio de Janeiro, mostra que municípios da Baixada Fluminense têm os maiores índices de contaminação pelo vírus.

Foram feitos quase 370 mil downloads do aplicativo e 265.205 pessoas fizeram a autoavaliação, respondendo perguntas sobre sintomas associados à doença e também sobre o histórico de saúde. Destas, 36.505 foram testadas até ontem (22) e um total de 5.032, o que equivale a 14%, tiveram o resultado positivo para o coronavírus.

Leia também: Governo do Rio de Janeiro publica exoneração de secretário da Saúde

O trabalho, do IDOR (Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino) e Zoox Smart Data, apontou que entre as pessoas que fizeram o teste, os maiores percentuais de resultados positivos estão nos municípios da Baixada Fluminense. Em primeiro lugar aparece Queimados, com 33,33%, seguido de Belford Roxo (31,50%), Magé (27,44%), Nilópolis (26,24%) e Duque de Caxias (24,81%).

Completam a lista dos dez municípios com maiores percentuais de moradores testados positivos: São Gonçalo, na Região Metropolitana, com 24,68%, São João de Meriti (23,66%), Nova Iguaçu (21,18%), Mesquita (19,15%)e Itaguaí (18,75%), as quatro na Baixada Fluminense das pessoas testadas com resultado positivo.

Por bairro, dentro das cidades analisadas, Lote XV, em Belford Roxo, tem o maior percentual de testes positivos, com 61,54%, seguido de Periquitos, em Duque de Caxias, com 54,55%, e Barros Filho, na zona norte do Rio de Janeiro, com 51,22% dos moradores testados com covid-19.

O coordenador do projeto, Fernando Bozza, que é médico e pesquisador do IDOR e da Fiocruz, disse que o objetivo da iniciativa é analisar dados para entender a disseminação do vírus e as formas de contágio, por meio da reunião de informações populacionais.

“Ao longo das semanas de operação temos conseguido enxergar esse mapa de distribuição da covid-19 nos lugares em que o Dados do Bem está atuando. Nesse sentido, é importante ressaltar que, mesmo aqueles que não são testados, estão contribuindo para a geração dos dados de inteligência e, por isso, é de extrema importância que as pessoas continuem baixando o aplicativo e preenchendo a autoavaliação.”

O aplicativo do Dados do Bem é gratuito e está disponível para os sistemas Android e iOS. Entre as pessoas que as respostas ao questionário apontam para uma probabilidade de estar com covid-19, uma amostragem é encaminhada para fazer o teste diagnóstico.

Últimas