RJ cria protocolo de atendimento a vítimas de violência doméstica

"Protocolo de Atendimento às Pessoas em Situação de Violência" contém 33 páginas e apresenta os principais sinais que indicam suspeita de agressão

Protocolo sobre violência doméstica
 contém 33 páginas

Protocolo sobre violência doméstica contém 33 páginas

Marco Santos/Agência Brasil/USP

Com o aumento de mais de 50% no número de denúncias nos casos de violência doméstica, segundo os dados do TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro lançou nesta terça (12) um protocolo para orientar e auxiliar os profissionais de saúde no atendimento dessas pessoas.

Leia também: Avião com 150 respiradores chega a aeroporto do Rio nesta terça (12)

O "Protocolo de Atendimento às Pessoas em Situação de Violência" contém 33 páginas e apresenta os principais sinais que indicam suspeita de violência, além de conter tipos de medicações e leis vigentes para auxiliar as vítimas.

No documento, a violência sexual é o tema mais abordado, desde a prevenção às ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis) até o aborto legal, em caso de estupro.  

Além disto, o protocolo contém sugestões de leitura e um fluxograma de atendimento para facilitar os procedimentos internos e o acolhimento da vítima.

Em nota, o secretário de saúde, Edmar Santos, disse que os profissionais de saúde podem contribuir com a prevenção de novos casos. "Ao seguir o protocolo, os profissionais conseguem identificar os casos de violência com mais clareza e notificar às autoridades competentes, conforme exigência legal”, explica Edmar.

A iniciativa surgiu devido ao impacto direto no atendimento em unidades de saúde e tem como objetivo trazer assistência para as vítimas.

Para denunciar casos de violências domésticas no Rio, é possível fazer virtualmente ou pelo telefone, no Disque 180.

*Estagiário do R7,  sob supervisão de PH Rosa