RJ: cursinho tem portas arrombadas após ação do Bope no Jacarezinho

Curso comunitário atende estudantes que irão prestar o vestibular; portas foram arrombadas e materiais revirados após ação da elite da PM

Segundo coordenador, portas foram arrombadas

Segundo coordenador, portas foram arrombadas

Redes sociais

Estudantes do curso Nica-Jacarezinho (Núcleo Independente Comunitário de Aprendizagem), curso comunitário na favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, denunciam que policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais) teriam invadido as salas do pré-vestibular e arrombado portas e revirado todo material escolar guardado no prédio.

Leia mais: CPI da crise fiscal alerta que Estado do RJ pode 'quebrar' em 2020

Segundo Joel Luiz Costa, fundador e coordenador do projeto, entre às 10h e 11h da manhã chegaram ao local e notaram que as portas estavam quebradas, já que eram de madeira.

“Chegamos lá por volta de 10h, 11h e vimos que as portas estavam arrombadas. É estranho, porque a polícia entrou na favela por volta de 6h da manhã”, disse.

Os materiais escolares usados pelos alunos nas aulas também foram revirados. “Só tinha sala de aula lá. Mas encontramos os materiais de parceiros nossos que recebemos todos revirados”.

Todo prejuízo ainda não foi calculado, pois não foi possível entrar no curso devido a uma nova operação policial na favela nesta terça-feira (17).

“Vamos lá agora à tarde. Ontem à noite e na manhã desta terça não deu para ir por conta da operação”, contou.

Por conta de todo ocorrido, as aulas foram suspensas. A previsão é de que retornem na quarta-feira (18).

Em nota, a Polícia Militar disse que o comando da corporação não compactua com nenhum possível desvio de conduta de qualquer um de seus militares, e que a Corregedoria monitora, atua e pune todos os envolvidos em tais práticas quando identificados e comprovados os fatos.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa