Rio de Janeiro RJ: Defesa de Witzel pede provas em processo de impeachment

RJ: Defesa de Witzel pede provas em processo de impeachment

Tribunal Especial Misto se reúne na próxima sexta-feira (4) para apurar material que será analisado primeiramente pelo relator Waldeck Carneiro

Witzel é investigado por crime de responsabilidade

Witzel é investigado por crime de responsabilidade

Pilar Olivares/Reuters - 28.08.2020

A defesa do governador afastado Wilson Witzel pediu provas documentais e testemunhais no processo de impeachment. A análise será feita pelo Tribunal Especial Misto que vai se reunir na próxima sexta-feira (4).

Rio: Polícia busca suspeitos de expulsar moradores de residências

Na audiência que vai ocorrer no TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), os cinco deputados estaduais e cinco desembargadores que formam quórum vão deliberar sobre a produção do material produzido por defesa e acusação que serão analisados primeiramente pelo relator deputado Waldeck Carneiro.

“Meu trabalho é fazer uma primeira análise destes pedidos de produção de provas, que é o objetivo específico desta próxima reunião, levar meu parecer e o Tribunal Misto vai examinar, eventualmente acompanhar ou modificar, a minha decisão. É uma fase de instrução para que o Tribunal, ouvindo as testemunhas e levando em conta outras provas, possa formar o juízo mais preciso possível em relação a este processo”, afirmou Waldeck.

Na segunda-feira (30), Witzel apresentou sua defesa ao Tribunal Especial Misto. Com isso, um novo julgamento será marcado para decidir se o governador volta ou não a assumir o Governo do Estado. É necessário ao menos sete votos para que Wilson Witzel perca o cargo.

Witzel

Wilson Witzel é investigado por crime de responsabilidade e foi afastado do cargo, no dia 28 de agosto por determinação do STJ (Superior Tribunal de Justiça) por suspeita de desvio na área da Saúde.

O governador afastado se manifestou nas redes sociais e declarou que está sendo acusado, sem provas, a partir de "uma denúncia frágil feita por criminosos confessos". Witzel afirmou ainda que está sendo submetido a um "linchamento moral e político".

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas