RJ: universidades promovem aulas online durante quarentena

Medida foi autorizada pelo Ministério da Educação por 30 dias para que estudantes não percam o período letivo. Decisão não abrange o curso de Medicina 

MEC libera aulas onlines em período de quarentena

MEC libera aulas onlines em período de quarentena

Divulgação/MCTIC

O MEC (Ministério da Educação) autorizou na última quarta-feira (18) que instituições de ensino superior substituam aulas presenciais por atividades que utilizem meios e tecnologias de informação e comunicação durante 30 dias, podendo ser prorrogada, por conta da pandemia do novo coronavírus

Entre as universidades que começaram a adotar este modelo está a UVA (Universidade Veiga de Almeida), no Rio. Para que os alunos não percam o semestre letivo, as aulas serão transmitidas em tempo real. Além disso, o conteúdo gravado ficará disponível por 15 dias para consulta na plataforma da faculdade.

Segundo a reitora da univesidade, Beatriz Balena, o objetivo não é transformar os cursos em Ensino a Distância:

“O EAD é outra metodologia, muito específica e realizada em uma plataforma diferente. Neste caso, os alunos terão aulas com conteúdo já planejado em dias e horários, com professores próprios das disciplinas, só que, em vez de presencial, será no ambiente virtual”, explica.

A estudante de Psicologia Rayssa Sant’Anna Moret, da IBMR (Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação), contou que já experimentou a novidade por meio do portal do aluno e elogiou a iniciativa:

"Achei ótimo. A interação entre aluno e professor está dinâmica. Além disso, existem ferramentas interessantes, como microfone, chat e quadro [virtual, onde são projetados slides]."

Já aluna de Engenharia de Produção Lorena Rocha, afirmou que tem aproveitado o tempo livre, já que não precisa se deslocar até o campus, para intensificar os estudos.

Para o professor universitário da Facha (Faculdades Integradas Hélio Alonso) Marcio Gonçalves a tecnologia pode ser uma importante ferramenta para as universidades durante o período de quarentena.

Gonçalves destacou que diversos recursos podem ser usados para transferir conhecimento, como podcasts, videoaulas, artigos científicos, ferramentas digitais gratuitas e até mesmo a interação com os alunos em fórum de discussão.

Orientação do MEC

As instituições de ensino superior que optarem por substituir as aulas terão 15 dias para comunicar ao MEC. As universidades devem definir quais disciplinas serão ofertadas na modalidade online, além de permitir que os alunos tenham acesso aos conteúdos disponibilizados. O órgão informou também que a medida não será obrigatória, ficando a critério da universidade.

Caso as instituições optem pela suspensão, terão a opção de repor as aulas integralmente após período de quarentena ou alterar o calendário do período letivo, postergando as férias.

Segundo o MEC, o objetivo da ação é manter a rotina de estudo dos alunos. A pasta ainda declarou que disponibilizará salas virtuais para institutos e universidades federais. 

A medida, no entanto, não vale para os cursos de Medicina, estágios e atividades em laboratórios.

*Estagiários do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira