Rogério 157 não é "troféu de caça" para ser exibido, dizem especialistas

Policiais posaram para fotos ao lado do traficante, preso nesta quarta, no Rio

Em foto, policiais aparecem sorrindo e comemorando
Em foto, policiais aparecem sorrindo e comemorando Reprodução

Depois de policiais do Rio de Janeiro tirarem selfies com o traficante Rogério 157, uma polêmica começou nas redes sociais sobre a conduta dos agentes do Estado. Questionados pelo R7, especialistas em segurança pública criticaram a atitude dos policiais e disseram que 157 não é um troféu de caça para ser exposto desta forma.

Ex-secretário Nacional de Segurança Pública, o coronel José Vicente da Silva afirmou que “a conduta dos policiais foi, no mínimo, antiética". "Policiais não devem se expor de forma jocosa em serviço. Criminoso não é troféu de caça.”

O coronel da reserva e mestre em Direitos Humanos pela USP (Universidade de São Paulo) Adilson Paes de Souza disse que os policiais quiseram exaltar o próprio ego ao tirar as fotos e esqueceram da dignidade do preso e dos riscos que eles correm mostrando seus rostos.

“A pessoa presa não é celebridade, e os policiais não são para ficar tietando essa pessoa. Esse senhor preso também não é uma caça cujo troféu tem que ser exibido. Esse senhor é um indivíduo preso, que merece ser processado, julgado e condenado pelos crimes que praticou. Ele não é uma caça, um troféu a ser exibido”, disse.

“Eles estão expondo a própria vida e colocando a vida de familiares em perigo. Esse senhor foi preso, mas ele é chefe de uma quadrilha bem numerosa e bem poderosa. E se ele der ordem para que os membros, seus subordinados, retaliem esses senhores? Esses senhores não pensaram na própria integridade física, não pensaram na própria família”, continuou Souza.

Rogério 157 apareceu sorrindo ao lado de uma policial em selfie
Rogério 157 apareceu sorrindo ao lado de uma policial em selfie Reprodução

Silva afirmou que “a administração da Policia Civil deve punir esses policiais pelo ato de exposição indevida de preso". "Mesmo criminosos têm direitos a serem preservados.” Segundo ele, “essas fotos suscitam amadorismo, falta de ética e de compromisso com a lei”.

O ex-secretário Nacional de Segurança Pública disse ainda que “policiais devem ser sóbrios em sua atuação e não podem expor pessoas sob sua guarda — sob a guarda do Estado que representam — a humilhação, por mais repudio que o criminoso mereça da sociedade”.

Souza lembra que tirar selfies com presos “não é atitude de um policial”. “Esses senhores que tiraram essas fotos erraram porque expuseram esse senhor, que merece ser preso e condenado pelos crimes que praticou, mas ofenderam a dignidade desse ser humano”, disse o coronel.

“Não estou defendendo esse senhor, não estou dizendo que ele é a melhor pessoa do mundo. Esse senhor não é um pop star, não é um astro de cinema, não é uma celebridade, muito menos uma presa cujo corpo tem que ser exibido.”

Ainda nesta quarta-feira (6), depois da prisão de 157, a Corregedoria interna da Polícia Civil abriu um processo para apurar a divulgação de selfies e fotos de policiais civis com o traficante. Na visão do secretário de Segurança Pública, Roberto Sá, as fotos são fruto de uma "euforia".