Sete museus do Rio não possuem o certificado do Corpo de Bombeiros 

Após a tragédia no Museu Nacional, o alerta para outros museus foi acionado, mas sete deles ainda não possuem o alvará adequado para o funcionamento 

Tragédia no Museu Nacional desperteu a preocupação em
 outros museus públicos do Rio de Janeiro

Tragédia no Museu Nacional desperteu a preocupação em outros museus públicos do Rio de Janeiro

Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil

Um ano após o incêndio no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte, sete museus públicos do Rio de Janeiro ainda não possuem o certificado do Corpo de Bombeiros, segundo o Ibram (Instituto Brasileiro de Museus). A instituição declara que o documento não foi emitido devido à burocracia.

Museu Nacional: resgate e doações ajudam a recompor acervo científico

As instituições Museu Casa de Benjamin Constant,  Museu Histórico Nacional, Museu Imperial, Museu Nacional de Belas Artes, Museu Villa-Lobos e os Museus Castro Maya (Chácara do Céu e Museu do Açude) não possuem a implementação do PPCIP (Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico), exigida pelos bombeiros para o funcionamento.

Segundo o orgão, o principal motivo pela falta do certificado é que todos os prédios são tombados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e precisam obedecer a Portaria 366/2018, ou seja, necessitam zelar pela integridade dos patrimônios culturais, para realizar reformas adequadas para emissão do certificado.

O alerta para toda sociedade sobre a crise das instituições culturais foi emitido depois da tragédia no Palácio da Quinta da Boa Vista, segundo o diretor do Museu Histórico Nacional, Paulo Knauss. "O fato da visitação ter aumentado nas instituições, mostra que todo o público despertou mais interesse depois do incêndio". 

Knauss também afirmou que desde que assumiu a direção da instituição, três anos antes do incidente no Museu Nacional, entrou com o processo para conseguir o alvará dos Bombeiros. 

Confira a situação de cada instituição de acordo com a nota do Ibram:

Museu Histórico Nacional

Possui o PPCIP aprovado e o laudo de exigência do Corpo de Bombeiros foi emitido e aguarda a aprovação do Iphan. Para a execução do PPCIP, o museu localizado no centro da capital fluminense foi selecionado no edital do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (do Ministério da Justiça e Segurança Pública) e vai receber o total de R$ 12.990.662,93.

O Museu Histórico Nacional também foi pré-selecionado no edital do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) voltado para projetos de segurança. O apoio previsto é de R$ 3.985.772,74.

Museu Casa de Benjamin Constant

A instituição cultural, localizada em Santa Teresa, zona sul do Rio, possui o PPCIP (Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico), que recebeu a aprovação do corpo de bombeiros e a previsão de data para finalizar essa fase de requalificação arquitetônica é em 2020. Os investimentos no Museu totalizam valores da ordem de R$7.500,000,00.

Museu Imperial

Popularmente conhecido como Palácio Imperial, o museu fica em Petrópolis, região serrana do Estado fluminense. O PPCIP foi elaborado e está em análise para a aprovação do projeto pelo Corpo de Bombeiros. E à execução, está pré-selecionado no edital do BNDES, com o valor previsto é de R$ 1.035.282,85.

Museu Nacional de Belas Artes

Possui o PPCIP, o projeto recebeu a aprovação do corpo de bombeiros e o museu também foi pré-selecionado no edital do BNDES para receber recursos de R$ 3.994.219,00, e foi aprovado pelo edital do FDD com R$ 25.403.525,31. Esta quantia será destinada às obras de restauração das fachadas, às cúpulas, aos terraços, à implantação dos sistemas de segurança contra incêndio e pânico e modernização da entrada de energia do Museu.

Museu Villa-Lobos

O Museu situado em Botafogo, na zona sul do Rio está em fase de implementação.

Museus Castro Maya (Chácara do Céu e Museu do Açude) 

Localizados em Santa Teresa, na região central, e Alto da Boa Vista, zona norte, os museus aguardam resultado da seleção de projeto do BNDES para a elaboração e execução do projeto.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa