Rio de Janeiro Silveira depõe ao MPF e diz que já tinha celulares quando foi preso

Silveira depõe ao MPF e diz que já tinha celulares quando foi preso

Deputado do PSL-RJ prestou depoimento presencialmente a um procurador da República na unidade prisional da PM em Niterói

Daniel Silveira durante depoimento por videoconferência

Daniel Silveira durante depoimento por videoconferência

Reprodução/TV Câmara

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) prestou depoimento nesta sexta-feira (26) ao Ministério Público Federal na unidade prisional da Polícia Militar em Niterói de forma presencial. Ele foi ouvido pelo procurador da República Eduardo Benones, do Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial. 

Silveira foi preso na noite do dia 17 após determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), por ameaças aos ministros da Corte e apologia ao AI-5, o ato institucional mais duro do período da ditadura militar.

Silveira depôs no inquérito sobre os dois telefones celulares apreendidos semana passada na sala onde ele estava preso. 

Segundo Maurizio Spinelli, advogado do deputado, quando Daniel Silveira foi preso pela Polícia Federal em sua casa no Rio, ele já estava de posse dos aparelhos celulares, apenas entrou na viatura e seguiu para a sede da Superintendência da PF. Disse ainda que não houve busca pessoal pelos seus telefones. "Ele apenas permaneceu com os telefones que já estavam com ele", disse o advogado.

O deputado pode receber visitas de duas a três vezes por semana de familiares e advogados. Segundo a defesa, Silveira está bem. A defesa encaminho ao Ministro do STF, Alexandre de Moraes, um pedido pelo relaxamento da prisão. O ministro pediu para que a Procuradoria-Geral se posicionasse sobre esse pedido.

A Câmara dos Deputados decidiu no último dia 19 manter a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Dessa forma, o parlamentar ficará detido enquanto correm os inquéritos que ele responde.

Últimas