Caso Henry

Rio de Janeiro "Tira isso da cabeça”, disse Monique ao pai sobre queixas de Henry

"Tira isso da cabeça”, disse Monique ao pai sobre queixas de Henry

Mãe da criança foi presa junto com o namorado, o vereador Dr. Jairinho, por suspeita de envolvimento no crime

  • Rio de Janeiro | Laura Rocha, do R7*

O pai de Henry, Leniel Borel, afirmou ter recebido com "tristeza, dor e raiva" a conclusão da investigação da morte do filho que resultou na prisão temporária da mãe da criança, Monique Medeiros, e do padrasto, Dr. Jairinho, na quinta-feira (8) . 

Em entrevista ao Balanço Geral RJ, Leniel relembrou que, dias antes da morte, questionou a ex-mulher sobre as queixas de Henry de que o "tio [Jairinho] o machucava".  

Ao falar com Monique, a professora argumentou: “Tira isso da sua cabeça, Leniel. Não tem nenhuma possibilidade disso acontecer”, ressaltando que o menino estava sempre acompanhado por ela ou pela babá.

Henry morreu na madrugada do último dia 8 de março

Henry morreu na madrugada do último dia 8 de março

Reprodução/Instagram

Leniel contou ainda que a avó materna ainda justificou a fala de Henry como uma "invenção" para não ir à casa da mãe.

O pai disse ter alertado Monique que  voltaria a conversar com ela, caso o filho aparecesse com algum hematoma.

No entanto, as investigações apontaram que a mãe tinha conhecimento de agressões do padrasto contra o menino após ter acesso a conversas entre Monique e a babá da criança

Apesar dos fatos revelados, o engenheiro afirmou ter demorado a acreditar que Monique pudesse ser conivente com qualquer violência contra o filho.

“Nos últimos dias, a gente ouviu muito falar sobre quem era Jairinho. Não sabia e comecei a ouvir coisas que se praticava até com ex-mulheres dele. Esse perfil já estava sendo traçado. Eu via que se tratava de um psicopata, um assassino. Isso estava se desenrolando para que fosse um fato. Mas o envolvimento de Monique, a mãe. Não sei se a ficha não caiu, dói demais. Mas não sei como uma mãe não pode ter protegido o filho dela”, afirmou Leniel.

O casal é suspeito de homicídio duplamente qualificado. O laudo do IML (Instituto Médico Legal) apontou que o corpo da criança apresentava múltiplas lesões, o que levou a polícia a descartar a hipótese de acidente. A causa da morte foi hemorragia interna provocada por grave lesão no fígado.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas