Rio de Janeiro Tiroteios em comunidades do Rio deixam ao menos 9 mortos em 12h

Tiroteios em comunidades do Rio deixam ao menos 9 mortos em 12h

Entre os mortos está o líder do tráfico do Morro dos Prazeres. Ao menos três pessoas sem ligação com o crime morreram

  • Rio de Janeiro | Rafael Nascimento *, do R7, com Record TV Rio

Resumindo a Notícia

  • Ao menos noves pessoas morreram em diferentes comunidades do Rio, em 12h
  • Os morros atingidos foram os dos Prazeres, Providência, Juramento, Complexo do Lins e Mangueira
  • O líder do tráfico do Morro dos Prazeres foi baleado e está entre os mortos
  • Ao menos três civis estão entre as vítimas
Armas e drogas foram apreendidas no Morro dos Prazeres

Armas e drogas foram apreendidas no Morro dos Prazeres

Divulgação/PMERJ

Ao menos nove pessoas morreram em diferentes comunidades do Rio, no intervalo de 12h entre esta segunda (26) e terça-feira (27). Segundo a polícia, a maioria era suspeita e tinha ligação com o tráfico, mas há registro que entre as vítimas estão pessoas sem a menor ligação com o crime.

Foram confirmados até o momento:

- Dois mortos no Morro dos Prazeres, no Rio Comprido.
- Seis mortos no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho.
- Um morto no Morro da Providência.

Morro dos Prazeres

No Morro dos Prazeres, Região Central, sete pessoas foram baleadas e dois suspeitos morreram. O líder do tráfico do morro, Marcelo da Silva Guilherme, conhecido como "Marcelinho dos Prazeres", foi baleado e não resistiu. Ele tem mais de 20 passagens pela polícia, incluindo homícidio.

Um dos tiros atingiu também a atendente de caixa Bruna Barros, não considerada suspeita, na noite de segunda (26). Ela estava dentro de uma van, na rua Barão de Petrópolis, no Rio Comprido, que dá acesso ao morro.

Segundo informações da irmã de Bruna, a atendende chegou ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro, sem os movimentos do pescoço para baixo. Ela segue em recuperação e o corpo já voltou a dar sinais. A bala está alojada no pescoço e no momento não deve ser retirada. A vítima segue na sala vermelha e aguarda vaga no CTI (Centro de Terapia Intensiva) da unidade. O estado de saúde é estável.

Morro da Providência, Lins e Mangueira

No Morro da Providência, Região Central, outro suspeito foi morto. Também houve confronto no Complexo do Lins, zona norte, mas sem registro de vítimas ou prisões. Na comunidade da Mangueira, também na zona norte, um policial militar ficou ferido e foi levado ao hospital.

Morro do Juramento

No Morro do Juramento, na zona norte, oito pessoas foram baleadas sendo sete suspeitas de ligação com o tráfico. Seis pessoas morreram, Entre as vítimas, apenas o marceneiro Gemerson Patrício de Souza não era considerado suspeito. Ele estava a caminho do trabalho quando foi atingido e não resistiu aos ferimentos. 

Em todos os confrotos, a Polícia Militar relatou que foi recebida a tiros por criminosos durante as operações de patrulhamento, alguns estavam inclusive armados com fuzis. Segundo o portal voz da PM, Raphael Batista, a polícia não acredita que as ações foram premeditadas.

"A Polícia Militar não acredita que sejam ações orquestradas, mas a simples presença da policia ja faz com que os marginais se sintam encorajados de praticar disparos contra os homens da corporação", afirmou.

Nas ações, a polícia apreendeu quatro fuzis, uma granada, uma pistola, munição e drogas. Mesmo proibidas pelo (STF) Supremo Tribunal Federal, por conta da pandemia, as operações policiais em favelas seguem acontecendo. O Ministério Público já registrou 500 atividades do tipo em comunidades do Estado desde o início da restrição, em junho de 2020.

* Estagiário do R7 sob supervisão de PH Rosa

Últimas