Morte de Marielle Franco
Rio de Janeiro Um ano após morte, manifestantes homenageiam Marielle no Rio

Um ano após morte, manifestantes homenageiam Marielle no Rio

Dois atos na região central lembraram a vereadora e o motorista Anderson Gomes mortos em um atentado; polícia ainda busca mandante do crime

Marielle Franco

Manifestantes fizeram homenagens no local do crime

Manifestantes fizeram homenagens no local do crime

FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO/14.03.2019

Dois atos em homenagem à Marielle Franco foram realizados na região central do Rio de Janeiro nesta quinta-feira (14), quando completa um ano dos assassinatos da vereadora e do motorista dela, Anderson Gomes.

No local do crime, no bairro do Estácio, onde Marielle foi baleada com quatro tiros, manifestantes deixaram velas, flores e mensagens sobre o legado da parlamentar.

Já na Câmara Municipal, local de trabalho da vereadora, foram colocadas margaridas na escadaria de acesso à Casa. Às 16h,  no mesmo lugar, está programado para ocorrer um ato político e cultural.

Marielle: RJ tem dificuldade para resolver crimes contra políticos

Margaridas foram deixadas na escadaria da Câmara Municipal do Rio

Margaridas foram deixadas na escadaria da Câmara Municipal do Rio

FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO/14.03.2019

Também nesta quinta, três suspeitos de envolvimento no caso foram levados para uma audiência de custódia no presídio José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte, para prestar esclarecimentos sobre armas apreendidas com eles durante a operação Lume.

A ação, deflagrada na terça-feira (12), prendeu dois suspeitos de participação direta no caso, um PM reformado e um ex-policial militar, além de um amigo de um dos envolvidos que guardava um arsenal em casa.

De acordo com a Polícia Civil e o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), a investigação agora está em uma segunda fase. Ainda falta esclarecer quem é o mandante do crime.