Rio de Janeiro Usuários do BRT relatam caos na zona oeste do Rio nesta segunda

Usuários do BRT relatam caos na zona oeste do Rio nesta segunda

Três coletivos quebraram perto da estação Mato Alto; passageiros denunciam más condições e superlotação do sistema

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7* com Quezia Oliveira, da Record TV Rio

Usuários do BRT relataram uma manhã de caos nesta segunda-feira (23), após três coletivos quebrarem perto da estação Mato Alto, na zona oeste do Rio de Janeiro, no sentido Barra da Tijuca. Os ônibus pararam próximos ao túnel Vice Presidente José Alencar, na avenida Dom João VI.

Usuários do BRT relatam insatisfação com sistema

Usuários do BRT relatam insatisfação com sistema

Record TV

Passageiros denunciam, ainda, as más condições do transporte. Segundo usuários, os articulados estão sucateados e apresentam defeitos com frequência, além de ficarem superlotados, causando aglomerações em meio ao avanço da variante delta da covid-19, que representou 60% dos 10 mil novos casos registrados da doença no Rio na última semana.

Em nota, a Prefeitura do Rio informou que a SMTR (Secretaria Municipal de Transportes) tem cobrado dos consórcios melhor atendimento aos usuários da linha 840 e que, no próximo dia 3, será publicado o edital da bilhetagem eletrônica que, segundo a pasta, possibilitará maior controle financeiro e investimento no sistema.

De acordo com o BRT-Rio, neste domingo (22), o trajeto de volta da praia foi marcado por "caloteiros" em estações do Recreio dos Bandeirantes e que uma grade foi derrubada no terminal do bairro.  A empresa afirmou que os calotes representam 20 a 25% do carregamento diário do BRT.

Por fim, o consórcio declarou que, desde o início da intervenção da prefeitura no sistema, a frota de coletivos em circulação passou de 120 para 195 e que até o fim da ação serão 241 ônibus nas ruas.

Intervenção

A intervenção da prefeitura no BRT teve início no dia 23 de março deste ano, após constantes denúncias da população quanto à qualidade do serviço. De acordo com o município, o objetivo inicialmente estabelecido era de ter 243 ônibus em circulação e todas as estações vandalizadas reabertas até o fim da ação, previsto para setembro.

No entanto, passageiros ainda relatam superlotação do sistema, que causa acidentes e riscos de contaminação pelo coronavírus. Além, disso agentes que integram o programa BRT Seguro, lançado com objetivo de oferecer segurança aos usuários e combater calotes, relataram que não haviam recebido salários desde o início da operação. 

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas