Rio de Janeiro "Vou mobilizar todo o governo para encontrar Amarildo", diz Cabral sobre desaparecimento de morador da Rocinha

"Vou mobilizar todo o governo para encontrar Amarildo", diz Cabral sobre desaparecimento de morador da Rocinha

Amarildo Dias de Souza, de 47 anos, não é mais visto desde o dia 13 de julho

"Vou mobilizar todo o governo para encontrar Amarildo", diz Cabral sobre desaparecimento de morador da Rocinha

"Nada justifica o desaparecimento de uma pessoa que foi checada pelo próprio comandante da UPP como trabalhador", diz Cabral

"Nada justifica o desaparecimento de uma pessoa que foi checada pelo próprio comandante da UPP como trabalhador", diz Cabral

Arquivo família

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse nesta quarta-feira (24), em seu perfil no Twitter, que irá mobilizar todo o governo para encontrar o morador da Rocinha Amarildo Dias de Souza, de 47 anos, que está desaparecido desde o dia 13 de julho. Na ocasião, ele foi abordado por policiais dentro da favela da zona sul, durante a Operação Paz Armada para combater o tráfico de drogas no local.  

Cabral disse ainda que não há justificativas para o desaparecimento de Amarildo e que vai intensificar as buscas.   

— Nada justifica o desaparecimento de uma pessoa que foi checada pelo próprio comandante da UPP como trabalhador. Vou mobilizar todo o governo para descobrir onde está Amarildo e identificar os responsáveis pelo seu desaparecimento.  

O governador e o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio tiveram um encontro às 11h desta quarta com a família do morador.

Cabral também elogiou a Operação Paz Armada realizada na semana passada na comunidade. A ação prendeu, até a quarta passada (17), 34 suspeitos, sendo 26 por mandado e oito em flagrante. 

O caso está sendo investigado pela Delegacia da Gávea (15ª DP). No dia 18 de julho, o titular da DP, Orlando Zaccone, ouviu os quatro policiais militares da UPP da Rocinha suspeitos de estarem envolvidos do desaparecimento do morador.  

Os agentes foram afastados da função e prestarão serviços administrativos na Coordenadoria de Polícia Pacificadora, até que inquérito seja concluído.