São Paulo 43 cidades de SP ganham título de Municípios de Interesse Turístico

43 cidades de SP ganham título de Municípios de Interesse Turístico

A classificação garante a cada cidade o recebimento de cerca de R$ 650 mil por ano. 97 municípios já haviam sido classificados no ano passado

Municípios de Interesse Turístico

Na foto, São Bernardo do Campo (SP) é uma das cidades que irão receber o título

Na foto, São Bernardo do Campo (SP) é uma das cidades que irão receber o título

Rubens Chaves / Folhapress / 24.09.2018

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou, na última terça-feira (5), projeto de lei que classifica 43 cidades como Municípios de Interesse Turístico, os chamados MITs.

Os municípios que possuem a certificação recebem recursos anuais do Governo do Estado para serem destinados a investimentos na infraestrutura turística. A utilização dessa verba deve fomentar a ampliação e o fortalecimento das atividades econômicas na região.
Agora, o projeto de lei precisa passar pela sanção do governador João Doria (PSDB). Caso sancionado, o Estado de São Paulo passa a contabilizar 140Municípios de Interesse Turístico.

Leia mais: Deputados de SP fecham lista de 31 municípios para receber verba do Turismo

As 43 cidades paulistas que deverão receber o título são: Adamantina, Araçatuba, Adolfo, Anhembi, Araçoiaba da Serra, Barra do Turvo, Bebedouro, Bocaina, Botucatu, Divinolândia, Dois Córregos, Garça, Guaíra, Ibirarema, Icém, Igarapava, Indiaporã, Ipeúna, Itapeva, Itaporanga, Itariri, Itirapina, Jaboticabal, Jarinu, Juquiá, Juquitiba, Lavrinhas, Marília, Mogi Mirim, Palmeira D"Oeste, Pauliceia, Pirapora do Bom Jesus, Pongaí, Porto Ferreira, Santa Albertina, Santa Clara d"Oeste, São Bernardo do Campo, São João da Boa Vista, São Manuel, Timburi, Três Fronteiras, Valentim Gentil e Votorantim.

MITs

Para que seja considerado de Interesse Turístico, o município deve ter atrativos turísticos, serviço médico emergencial, de hospedagem, de alimentação, informações turísticas e abastecimento de água potável e esgoto. A classificação garante a cada cidade o recebimento de cerca de R$ 650 mil por ano.

Noventa e sete cidades já haviam sido classificadas como MITs no ano passado: Agudos, Altinópolis, Apiaí, Araraquara, Araras, Areias, Barbosa, Barretos, Bofete, Boituva, Brodowski, Buritama, Cabreúva, Cachoeira Paulista, Campina do Monte Alegre, Cardoso, Cesário Lange, Cruzeiro, Cubatão, Espírito Santo do Pinhal, Estiva Gerbi, Fernandópolis, Guararema, Iacanga, Igaratá, Iporanga, Itaoca, Itapira, Itápolis, Itapuí, Itapura, Itararé, Itatiba, Itupeva, Ituverava, Jacareí, Jacupiranga, Jales, Jaú, Jundiaí, Laranjal Paulista, Lençóis Paulista, Limeira, Lins, Mairiporã, Martinópolis, Mendonça, Miguelópolis, Mineiros de Tietê, Miracatu, Mira Estrela, Mogi das Cruzes, Monte Alto, Monteiro Lobato, Nazaré Paulista, Novo Horizonte, Orlândia, Ouroeste, Panorama, Paraibuna, Pardinho, Patrocínio Paulista, Paulo de Faria, Pedreira, Pedrinhas Paulista, Piedade, Piracaia, Piratininga, Queluz, Rancharia, Registro, Ribeirão Grande, Rifaina, Riolândia, Rosana, Rubineia, Sabino, Sales, Santa Branca, Santa Cruz do Rio Pardo, Santa Isabel, Santo Antonio da Alegria, Santo Expedito, São José do Rio Pardo, São Miguel Arcanjo, São Simão, Sertãozinho, Sete Barras, Sud Menucci, Tabatinga, Tambaú, Tapiraí, Tatuí, Torrinha, Ubarana, Uchôa e Votuporanga.