Apesar de obrigatório, nem todos passageiros usam máscara em SP

Na estação Sé, no centro, algumas pessoas conseguiram embarcar sem a proteção, mas segundo o Metrô o passageiro deve ser barrado

A partir de hoje, é obrigatório uso de máscaras no transporte coletivo de SP

A partir de hoje, é obrigatório uso de máscaras no transporte coletivo de SP

Reprodução / Record TV

Apesar da obrigatoriedade do uso de máscaras no transporte público, em táxis e aplicativos de São Paulo a partir desta segunda-feira (4), a equipe da Record TV flagrou alguns passageiros embarcando na estação Sé, no centro, sem o equipamento de proteção contra o novo coronavírus.

Os funcionários da estação conversavam com os passageiros e recomendavam que eles providenciassem a máscara, mas acabavam liberando o acesso por ser o primeiro dia que a medida começou a valer no estado e na capital. Mas, segundo o Metrô, a pessoa sem máscara não deve embarcar nas composições e afirmou que iria reforçar a orientação também aos funcionários.

Leia mais: Isolamento ampliado, bloqueios e máscaras devem marcar semana

 A grande maioria das pessoas, no entanto, já usa máscaras e está respeitando o decreto da prefeitura e do governo do estado. Isso é perceptível nas estações do Metrô e nos pontos de ônibus da cidade.

Novas regras

A medida vale para quem usa ônibus intermunicipais, coletivos da capital paulista, trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e Metrô. Devem também seguir a nova regra passageiros e motoristas de táxis e aplicativos de transporte.

Veja também: Chega a 10 número de mortos em hospitais de campanha de SP

Pode ser usado qualquer tipo de máscara, descartável, profissional ou caseira, feita de pano. Valem também lenços amarrados sobre o nariz e a boca. O ideal é que haja uma camada dupla de tecido para aumentar a proteção. Quem não usar, corre o risco de ser barrado a caminho do trabalho ou de qualquer compromisso, e levar uma advertência verbal e ser impedido de acessar o transporte.

Empresas e prestadores de serviço vão fiscalizar e impedir a entrada e a permanência de pessoas sem máscaras no interior das estações, dos vagões e dos ônibus. As empresas estarão sujeitas a advertência e multa caso não cumpram a regra, segundo o governo do estado. Na cidade de São Paulo, a multa será de R$ 3.300 por dia e para cada ônibus em circulação com passageiros sem máscara.