São Paulo Aplicativo ajuda mulheres vítimas de violência a chamarem polícia

Aplicativo ajuda mulheres vítimas de violência a chamarem polícia

Atualmente, mais de 70 mil pessoas estão aptas a utilizar o serviço, que foi lançado pelo Governo de São Paulo, nesta sexta-feira (22)

SOS Mulher

Chamado de SOS Mulher, ferramenta permite que vítimas peçam ajuda

Chamado de SOS Mulher, ferramenta permite que vítimas peçam ajuda

Kat Jayne/Pexels

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), lançou nesta sexta-feira (22) um aplicativo para que mulheres com medidas protetivas concedidas pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) possam pedir socorro quando estiverem em situação de risco. Chamado de SOS Mulher, a ferramenta permite que as vítimas peçam ajuda apertando apenas um botão.

A medida visa agilizar e priorizar o atendimento dessas pessoas, deslocando as equipes mais próximas ao local da ocorrência. Para usar o aplicativo, basta que o interessado baixe a ferramenta por meio das lojas virtuais Google Play e App Store. Depois, é necessário a realização de um cadastro com os dados pessoais para que as informações possam ser checadas junto ao TJ. Somente após a confirmação positiva da ferramenta que o serviço poderá ser utilizado. 

Leia mais: Mulheres violentadas: quando medidas protetivas não bastam

Antes de começar a usar o aplicativo, a pessoa deve fazer um teste de acionamento para verificar se a sua medida protetiva consta na base de dados do Poder Judiciário. O botão “peça socorro” do SOS Mulher é destinado apenas às mulheres e também aos homens e crianças que possuem a restrição expedida pelo órgão. Atualmente, mais de 70 mil pessoas estão aptas a utilizar o serviço.

Como funciona?

Os usuários devidamente cadastrados na ferramenta podem pedir ajuda sempre que estiverem em perigo. Para isso, é preciso apertar o botão disponível na ferramenta por cinco segundos. Depois, automaticamente é gerada uma ocorrência de risco à integridade física pelos Centros de Operações da Polícia Militar em todo o Estado. Com isso, o atendimento será priorizado e a PM utilizará as coordenadas geográficas da pessoa, entre outros dados do seu cadastro, para encaminhar a viatura policial mais próxima para atendimento imediato à vítima.

Após a chegada da equipe policial no endereço, é essencial que o usuário apresente a decisão do juiz, comprovando o descumprimento da medida protetiva e as providências decorrentes.

Veja também: Ônibus lilás vai acolher mulheres vítimas de assédio no carnaval de SP

Em caso de acionamento indevido, a pessoa deve acionar a Polícia Militar rapidamente pelo telefone 190 e cancelar a ocorrência. Essa ação é muito importante porque evita o deslocamento desnecessário de policiais, permitindo que casos urgentes sejam atendidos. O chamado também vale caso o interessado não consiga realizar o cadastro, esteja com problemas no aplicativo/celular ou para quem não possui medida protetiva e precisa pedir socorro.