São Paulo Após 10 anos, TJ-SP condena mulher que atropelou e matou empresário

Após 10 anos, TJ-SP condena mulher que atropelou e matou empresário

Gabriela foi condenada a três anos de prestação de serviços comunitários e pagamento de multa a entidades sociais

  • São Paulo | Do R7

Vitor morreu em julho de 2011, aos 24 anos

Vitor morreu em julho de 2011, aos 24 anos

Reprodução/Redes sociais

A Justiça de São Paulo condenou a nutricionista Gabriela Guerrero Pereira a três anos de prestação de serviços comunitários e pagamento de multa de R$ 22 mil a entidades sociais, por ter atropelado e matado empresário Vitor Gurman, em um crime que ocorreu em 2011. Gabriela também não poderá mais dirigir por dois anos. Cabe recurso da decisão.

Inicialmente, a pena seria de três anos de detenção em regime aberto, mas a juíza Valéria Longobardi substituiu a pena pelos serviços comunitários e assim a nutricionista, condenada por homicídio culposo (sem intenção de matar), responderá em liberdade.

O caso

O atropelamento aconteceu às 3h30 do dia 23 de julho de 2011 na Rua Natingui, na Vila Madalena, zona oeste paulistana. Gabriela dirigia um Land Rover. O namorado, Roberto Lima, de 36 anos, estava no banco do passageiro. O impacto do carro arrancou um poste de iluminação e o veículo tombou.

Veja também: Após 5 anos, morte de jovem atropelado na Vila Madalena permanece impune

Vitor, que na época tinha 24 anos, estava a pé andando pela calçada, quando foi atingido pelo carro, um Rand Rover, conduzido por Gabriella. O rapaz chegou a ser socorrido, mas morreu cinco dias após de ter sido internado.

De acordo com o Ministério Público, os exames periciais confirmaram que Gabriela estava alcoolizada e dirigindo em alta velocidade. Mas, à Justiça, a defesa de Gabriela negou e afirmou que ela perdeu o controle do veículo quando tentou segurar o namorado, que estava sentado no banco do passageiro e sem cinto de segurança.

Veja também: STJ decide não levar acusada de atropelar Vitor Gurmann a júri

Cinco anos após o crime, ela e Roberto, o namorado, foram condenados a pagar indenizações de aproximadamente R$ 1,5 milhão aos familiares do jovem.

Últimas