Após enchente na Ceagesp, impacto ao consumidor deve ser irrelevante

Professor da FGV considera prejuízo calculado pela companhia de entrepostos “uma gota no oceano”. Companhia deve retomar atividade nesta quarta

Companhia de entrepostos teve prejuízo de R$ 20 milhões

Companhia de entrepostos teve prejuízo de R$ 20 milhões

Guilherme Padin/R7

O prejuízo causado pelos temporais à Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), avaliado em de cerca de R$ 20 milhões em alimentos pela diretoria da empresa, não deverá impactar no bolso da população paulista.

Segundo a previsão de seus diretores, a companhia deve retornar às atividades até a tarde desta quarta-feira (12).

Ao R7, o economista Mauro Rochlin, professor dos MBAs da FGV (Fundação Getúlio Vargas), considerou que o prejuízo ao consumidor final deverá ser “inexpressivo”.

“Em termos de São Paulo e cidades grandes, o valor calculado [pela companhia] é muito baixo para haver um impacto considerável. É uma gota no oceano. Se a chuva também castigasse severamente os produtores rurais, o impacto seria real”, afirmou Rochlin.

Engenheiro agrônomo da Ceagesp, Gabriel Bitencourt disse em coletiva de imprensa na terça (11) que, se de fato se confirmar, o aumento nos preços dos produtos deve ser pontual: “De prazo curto, um ou dois dias, no máximo”.

Leia também: Inundação da Ceagesp provoca prejuízo de R$ 20 milhões

Rochlin explica por que, mesmo em casos de aumento de preço pós-crises, o valor tende a se estabilizar com o tempo: “Quando acontece, é algo pontual. Os consumidores procuram o produto substituto, a alta favorece novos produtores, e aí se estabiliza em médio a longo prazo”.

7.000 toneladas de alimentos foram descartadas após inundação

7.000 toneladas de alimentos foram descartadas após inundação

Guilherme Padin/R7

Economista da Ceagesp, Flávio Godas disse, também na coletiva da terça, que houve uma coincidência positiva em meio à crise enfrentada pelos permissionários. “Por sorte, terça é um dia menos movimentado por aqui, com menos produtos em estoque... então o impacto foi menor em razão disso”, disse Godas.