Novo Coronavírus

São Paulo Após falta, SP anuncia construção de 19 miniusinas de oxigênio

Após falta, SP anuncia construção de 19 miniusinas de oxigênio

Contra desabastecimento, unidades serão instaladas em hospitais municipais, hospitais dia e UPAs até o dia 30 de abril

  • São Paulo | Joyce Ribeiro, do R7

Após falta de oxigênio, SP anuncia construção de 19 miniusinas até o dia 30 de abril

Após falta de oxigênio, SP anuncia construção de 19 miniusinas até o dia 30 de abril

Reprodução

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (25) a construção de 19 miniusinas de oxigênio na cidade para evitar o desabastecimento de unidades de saúde diante do agravamento da pandemia do novo coronavírus e aumento de internações por covid-19.

Já há registro de mortes de pacientes por falta de oxigênio na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Ermelino Matarazzo, na zona leste. O caso é investigado pelo Ministério Público.

Sete miniusinas passam a operar até o dia 15 de abril e outras 12 até 30 de abril, segundo previsão da prefeitura. 

O investimento é de mais de R$ 9,4 milhões em equipamentos, sendo outros R$ 104,5 mil apenas para instalação das miniusinas. A capacidade de produção é de 9 mil metros cúbicos de oxigênio por dia, o equivalente a 900 cilindros.

"Depois de três anos, a cidade vai ter o retorno do capital investido e isso vai gerar uma redução do custeio de R$ 250 mil mensais, sem falar que é uma obra permanente para garantir o abastecimento das unidades de saúde", afirma Covas.

Até o dia 15 de abril, as usinas serão instaladas no hospital municipal de Capela do Socorro, Sorocabana, UPA Jabaquara, HD (Hospital Dia) Tito Lopes, HD Flávio Gianotti e HD M'Boi Mirim II.

As outras unidades vão funcionar até o dia 30 de abril nos HDs Itaim Paulista, São Mateus-Tietê II, São Miguel, Brasilândia, Butantã, Lapa, Mooca, Penha, Vila Prudente, Campo Limpo, Cidade Ademar e M'Boi I.

Doação e parcerias

A capital paulista também recebeu 400 cilindros de oxigênio que foram doados por empresas e pela Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo). Eles serão encaminhados para AMAs (Assistência Médica Ambulatorial), UPAs e HDs.

Em parceria com empresas e bancos, a prefeitura vai entregar até o fim de abril mais 60 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 180 de enfermaria para atendimento exclusivo de pacientes com covid-19 e outros 55 leitos para outras doenças.

"Em maio vamos desafogar os hospitais municipais para que passem a receber pacientes não-covid", explica o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido.   

Feriadão

Nesta sexta-feira (26) começa o megaferiado de 10 dias, determinado pela prefeitura, numa tentativa de diminuir o ritmo de contaminação pelo coronavírus. A medida vai até o dia 4 de abril.

O prefeito lembrou as 300 mil mortes por covid-19 no país e fez um apelo à população: "Não é para festejar, viajar e nem aglomerar. A gente sabe e agradece o esforço da população até agora, mas a parada é necessária para conter as altas curvas de internações, ocupação de leitos de UTI e óbitos no município e diminuir o ritmo de contágio".

Últimas