Tragédia no centro de São Paulo
São Paulo Após incêndio, vizinhos resgatam peixes, gatos e até porquinho

Após incêndio, vizinhos resgatam peixes, gatos e até porquinho

Vizinhos do prédio que desabou após pegar fogo foram autorizados a volta para seus apartamentos e retirar seus pertences

Em meio a perdas, a preocupação com peixe, gato e porquinho

Aparecida estava preocupada com o peixe de estimação

Aparecida estava preocupada com o peixe de estimação

Thaís Skodowski/ R7 01.05.2017

Moradora do edifício Caracu, vizinho ao prédio que pegou fogo e desabou na madrugada desta terça-feira (1) na rua Antonio de Godoi, Aparecida Ambrósio recebeu autorização da Defesa Civil para retirar seus pertences. Foi com o neto. Ao entrar, enfrentaram um cheiro de fumaça muito forte. Os olhos ardiam enquanto recolhiam roupas, remédios, documentos e algo mais que pudessem levar. 

Antes de sair, sem ter a certeza de quando poderá voltar, Aparecida respirou aliviada: poderia levar o aquário com seu peixe de estimação.  

O gato e o porquinho

Mariam Rebollo estava acordada quando começou o incêndio no prédio que foi sede da Polícia Federal e também onde funcionou o INSS, no centro de São Paulo.

Bombeiros têm "fio de esperança" na busca por sobreviventes

Ela pensou que fosse uma briga no edifício ocupado, já que elas eram frequentes. Quando abriu a janela, viu o fogo. Acordou o namorado, pegou o gato e porquinho da Índia e saiu correndo.

Moradores pagavam até R$ 400 por mês para viver em prédio que ruiu

Na tarde desta terça-feira (1) Mariam e o namorado voltaram pra pegar roupas e os utensílios dos animais. Ela disse que o apartamento está em ordem, mas que o prédio onde mora aparentemente está comprometido. Ela foi para casa do namorado. A prefeitura ainda não entrou em contato oferecendo auxílio. Mariam não sabe quando poderá voltar pra casa.