Após transferências, todos os presos de São Paulo passam por revista

As unidades sob responsabilidade da Secretaria da Administração Penitenciária do Estado tiveram "procedimento de revista padrão"

Penitenciária de Presidende Venceslau

Penitenciária de Presidende Venceslau

Jardiel Carvalho/Folhapress

A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) do Estado de São Paulo confirmou ao R7 que realizou, em todas as unidades prisionais sob sua tutela, um "procedimento de revista padrão" nesta quarta-feira (13).

A revista ocorre no mesmo dia em que 22 membros do alto escalão de organizações criminosas dos estados foram transferidos da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau e do Centro de Reabilitação Penitenciária, onde se cumpre o RDD (Regime Disciplinar Diferenciado) para presídios federais em Brasília (DF), Mossoró (RN) ou Porto Velho (RO).

Veja também: ‘O crime será refém do Estado’, diz governador João Doria

Dentre eles está o líder do PCC (Primeiro Comando da Capital), Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, que deve ser transferido para Rondônia, onde ficará isolado 22 horas por dia e não terá direito a visitas íntimas.

Marcola e os demais detentos transferidos devem permanecer no presídio federal por pelo menos dois anos. O prazo pode ser prorrogado pelo Estado. Membros do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) consideram que a transferência demorou para ocorrer.

Leia mais: PM detectou drones sobre Presidente Venceslau onde estava cúpula do PCC

A Operação é a primeira ação realizada com a participação da SEOPI (Secretaria de Operações Integradas) criada na atual estrutura do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Os presos estão sendo transferidos com a escolta do Departamento Penitenciário Federal (Depen) e da Polícia Militar de São Paulo para as penitenciárias federais.

O trabalho integrado conta com a atuação da Polícia Militar, Polícia Civil e Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo, FAB (Força Aérea Brasileira), Exército Brasileiro, Coordenação de Aviação Operacional e Comando de Operações Táticas da Polícia Federal, além da PRF (Polícia Rodoviária Federal). O trabalho também envolve ações de inteligência em conjunto com a Abin (Agência Brasileira de Inteligência).