São Paulo Atriz e apresentadora podem responder por furto de cães em instituto, diz delegado

Atriz e apresentadora podem responder por furto de cães em instituto, diz delegado

Nicole Puzzi e Luisa Mell participaram da retirada de 178 beagles de laboratório em São Roque

Atriz e apresentadora podem responder por furto de cães em instituto, diz delegado

Luisa Mell (à esquerda) e Nicole Puzzi se defenderam e ainda falaram que apenas ajudaram a retirá-los

Luisa Mell (à esquerda) e Nicole Puzzi se defenderam e ainda falaram que apenas ajudaram a retirá-los

Reprodução/Rede Record

A apresentadora Luisa Mell e a atriz Nicole Puzzi poderão ser indiciadas por furto qualificado. As duas são protetoras de animais e estavam presentes quando ativistas invadiram o Instituto Royal e retiraram de lá 178 cães da raça beagle, na noite da última quinta-feira (17), em São Roque, no interior de SP. O delegado Marcelo Sampaio Pontes pretende ouvi-las nos próximos dias.

— O nome delas foi aventado porque elas são conhecidas. Então, serão chamadas e podem, sim, responder por furto qualificado, se for o caso.

Em entrevista ao R7, Luisa Mell se defende. Ela não ficou com nenhum beagle.

— Eu não invadi o canil. Eu realmente entrei junto com a polícia. As pessoas começaram a passar os cachorros, eu realmente peguei, pegaria de novo.  [...] Faria mil vezes, só de ver a transformação desses animais, só de ver o que representou para a proteção animal, para a sociedade como um todo.

Nicole Puzzi também se defende e diz que não ficou com qualquer cão retirado do instituto.

— Se for pelos cães, eu respondo pelo que ele [delegado] quiser, mas ele tem que indiciar todo mundo que estava lá. [...] Se eu tiver que ir para a cadeia por furto qualificado, eu irei feliz, porque valeu a pena pelos beagles.

Assim como Luisa Mell, a atriz diz que não participou da invasão, apenas da remoção dos animais.

— Eu não tenho força para abrir um portão na porrada, para quebrar portas e janelas. Mas eu tive força para carregar os beagles, sim. Eu passei de mão em mão.

O delegado analisa as redes sociais e imagens registradas pela imprensa durante a retirada dos cães para identificar os ativistas que participaram da ação e chamá-los para prestar depoimento. Ele também quer ouvir o que eles sabem sobre os supostos maus-tratos sofridos pelos animais.

O motivo da invasão do Instituto Royal foi, segundo os ativistas, a ausência de explicações da empresa sobre testes farmacêuticos que eram realizados nos cães. A polícia ainda aguarda a lista de clientes do laboratório para saber se pesquisas de cosméticos também eram feitas.

A Polícia Civil investiga o furto dos animais e também as denúncias de ativistas de que eles eram submetidos a maus-tratos dentro do laboratório. O Instituto Royal nega as acusações e afirma que todos os estudos eram feitos amparados na legislação vigente.

Adotar beagles retirados de instituto pode ser crime de receptação, diz polícia

Advogado pede que cães retirados de instituto em SP não sejam abandonados

Apelo

Nicole Puzzi ainda faz um pedido para que as pessoas pensem em outros animais abandonados.

— Se cada uma dessas pessoas que nos pediu para adotar um dos beagles resolvesse adotar um vira-lata, a gente esvaziaria 20 ONGs.

Ela ressalta que o trabalho dos protetores envolve, principalmente, a retirada dos animais que ficam nas ruas, evitando atropelamentos, acidentes de trânsito com vítimas, transmissão de doenças e mordidas. 

Para comissão da OAB, não há dúvidas que cães retirados de instituto sofreram maus-tratos