Av. Paulista terá rodízio semanal de protestos pró e contra Bolsonaro

Em acordo intermediado pela PM e pelo MP, grupos antagônicos concordaram em ocupar a via de forma alternada para evitar que haja confronto

Manifestantes pró e contra Bolsonaro discutem na Paulista

Manifestantes pró e contra Bolsonaro discutem na Paulista

Roberto Sungi/Futura Press/Estadão Conteúdo - 31.05.2020

Os grupos pró e contra o governo Jair Bolsonaro, que chegaram a ocupar a Avenida Paulista no mesmo dia e hora há 15 dias, conseguiram fechar um acordo sobre o uso da via nesta quarta-feira (10) após três horas de reunião virtual com intermediação da Polícia Militar e do Ministério Público de São Paulo. O novo esquema é um rodízio semanal, que já começa neste domingo (14). 

Na data, a Paulista será ocupada pelos manifestantes críticos ao governo federal. O ato começará às 14h, na altura do Masp. Às 15h, os manifestantes sairão em marcha e devem se dispersar às 16h30. O itinerário será informado ao longo da semana para que o policiamento possa se planejar. 

No mesmo dia, os apoiadores do presidente Bolsonaro vão se concentrar entre 12h e 18h no Viaduto do Chá, próximo à sede da Prefeitura de São Paulo. 

Na último domingo (7), grupos de oposição se manifestaram no Largo da Batata, em Pinheiros, na zona oeste, enquanto os favoráveis ao governo ocuparam a Avenida Paulista.

Pela oposição, participaram da reunião lideranças do MTST e da Frente Povo sem Medo e do Movimento Somos Democracia. Representando o grupo a favor de Bolsonaro, estavam os movimentos Deus, Pátria e Liberdade, Patriotas e Damas de Aço. 

SP: atos na Avenida Paulista têm confronto entre manifestantes e PM

*Estagiário do R7, sob supervisão de Clarice Sá