Novo Coronavírus

São Paulo Baixada Santista vai fechar praias no Réveillon contra aglomeração

Baixada Santista vai fechar praias no Réveillon contra aglomeração

Forças policiais do Estado serão responsáveis por barrar entrada de pessoas nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro em nove cidades

  • São Paulo | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Acesso às praias da Baixada Santista está proibido nos dias 31 e 1º de janeiro
  • Polícia do Estado de São Paulo vai impedir entrada de turistas na areia
  • Vans e ônibus de turismo não poderão chegar às nove cidades da Baixada
  • Prefeitos querem impedir a chegada do chamado 'turista de um dia'
Praias de Santos (SP) ficam lotadas durante a temporada. No Réveillon, estarão fechadas

Praias de Santos (SP) ficam lotadas durante a temporada. No Réveillon, estarão fechadas

Fabrício Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo – 20.12.2020

Nove cidades da Baixada Santista anunciaram, em conjunto, nesta quarta-feira (23), o fechamento das praias entre os dias 31 de dezembro e 1º de janeiro a fim de evitar aglomeração e, ao mesmo tempo, impedir a disseminação do novo coronavírus, que provoca a covid-19. Trata-se de um complemento ao anúncio do governo estadual na última terça-feira.

O comunicado foi feito pelo presidente o Condesb (Conselho de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista), Paulo Alexandre Alexandre (PSDB), que também é prefeito de Santos. O grupo representa os municípios de Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Bertioga, Cubatão, Itanhaém, Peruíbe e Mongaguá.

"Decidimos por fechar a praia no dia 31 e no dia 1º, que são os dias com maior frequência de público, com maior quantidade de pessoas. Nos demais dias, teremos regras próprias, cada uma das cidades, no pós-Réveillon. Mas nos dias 31 e 1º, já havia uma decisão de não ter queima de fogos, de não ter festa. O objetivo é evitar aglomeração. Então, teremos restrição de acesso à praia sob responsabilidade do Estado. Esse é o pleito do Condesb", afirmou.

Alexandre explicou que a atribuição de manter banhistas longe da areia é do Estado, juntamente com fiscais da Anvisa, porque o concentra os esforços durante a Operação Verão. Além disso, afirmou que as cidades da Baixada Santista não têm tal capacidade somente com os guardas municipais. 

"Os municípios não têm capacidade [de isolar as praias]. Temos uma população flutuante que vai ser multiplicada durante esse período e não temos condições, com a estrutura de Guarda Municipal, de implementar medidas como essa, que são necessárias para preservar a segurança sanitária e a saúde das pessoas", disse.

Turistas de 1 dia

O presidente do Condesb também explicou que as nove cidades também adotarão medidas para impedir a chegada de turistas que fazem o chamado "bate e volta" para o litoral.

"Teremos a proibição de vans e ônibus de turismo de um dia, os 'turistas de um dia', em toda a região da Baixada Santista. O objetivo é que a gente evite esse turista, neste momento, que vem para passar o dia e gerar esse tipo de aglomeração na praia. Então, passam a ser proibidos", alegou.

Quanto aos hoteis, Alexandre disse que vão funcionar normalmente, com respeito ao limite de capacidade, por serem serviço essencial. "Até por conta de reservas já feitas e planejamento estabelecido", completou.

O prefeito de Santos disse que a Baixada Santista merece uma atenção especial do Plano São Paulo, uma vez que é destino de muitos turistas no verão. "Essas decisões do Plano São Paulo contemplam o Estado como um todo, mas a Baixada Santista tem que ser tratada de forma específica porque nenhuma região do Estado tem a movimentação que a Baixada tem nesse período", argumentou.

"Essas medidas, como foram tomadas [do Plano SP como um todo], acabam se tornando um convite aos turistas para se dirigirem à Baixada Santista durante o período de Réveillon, que é tudo aquilo que queremos evitar. Por isso, manteremos a região na faixa amarela, com restrições severas durante o período da virada do dia 31 e 1º", finalizou.

Veja a entrevista na íntegra:

Últimas