Coronavírus

São Paulo Botucatu começa a aplicar 2ª dose após resultados promissores da 1ª

Botucatu começa a aplicar 2ª dose após resultados promissores da 1ª

Estudo vacinou em massa com a AstraZeneca, e concluirá processo no domingo. Casos e internações caíram significativamente

Aplicação da segunda dose ocorre neste domingo (8)

Aplicação da segunda dose ocorre neste domingo (8)

Divulgação/Prefeitura de Botucatu

Palco do estudo para vacinação em massa contra a covid-19 com a AstraZeneca, a cidade de Botucatu (SP) completará a imunização de 66 mil habitantes neste domingo (8), após ter obtido resultados promissores já com a primeira dose nas últimas semanas.

Com faixas etárias separadas por horários, o processo para vacinar a população ocorrerá da mesma forma que na primeira data, em 16 de maio.

Conforme esperavam os especialistas, a primeira dose já deu sinais de melhoras nos números da pandemia no município, com mais de 80% de redução para casos e internações pelo novo coronavírus.

O secretário municipal de saúde, André Spadaro, celebrou os números, mas faz questão de ressaltar a importância de os munícipes concluíram a imunização.

“É necessária essa grande adesão à segunda dose, especialmente por conta dessa nova cepa Delta. É hora de todos nós cumprirmos com o nosso papel, pois para prevenirmos nossa população, temos que atingir esse bom nível de imunização também na segunda dose”, afirmou Spadaro ao R7.

Resultados promissores

Entre os resultados aguardados pelos pesquisadores, a primeira resposta já com a primeira dose veio com a redução de casos confirmados.

Na semana epidemiológica de 6 a 12 de junho, pouco após o início da vacinação em massa, com o pico de pessoas infectadas pelo vírus na região, foram registrados 988 casos do novo coronavírus, ou 141 por dia.

Cerca de um mês depois, entre 4 e 10 de julho, a cidade teve, ao todo, 133 casos do novo coronavírus, com uma média de 19 casos diários, que representava uma diminuição de 86,5%. Desde então, as semanas seguintes continuaram registrando aproximadamente 20 casos por dia.

O número de internações pela doença também diminuiu significativamente. Em 16 de maio, eram 74 – 20 em UTIs e 54 em enfermarias. Nesta quarta-feira (4), apenas 14 – sete em UTIs e sete em enfermarias, o que indica uma redução de 81% em pouco mais de dois meses e meio desde o começo da vacinação em massa.

Como será a aplicação da 2ª dose

Neste domingo, serão vacinados somente os munícipes com segunda aplicação agendada para os dias 8 e 9 de agosto.

Aqueles que se vacinaram no CEI Luiz Amat receberão a segunda dose no Convento Servas do Senhor. Os que se vacinaram no Colégio Anglo vão receber a segunda na nova sede da escola (Prédio da antiga Secretaria de Educação, na rua Costa Leite). Quem se vacinou no CEI Horeste Spadotto receberá a segunda dose na EMEF José Antônio Sartori, no Jardim Eldorado.

A população do Rio Bonito e da Mina terá a imunização completa através de um posto volante que ficará das 8h às 12h no Rio Bonito e das 13h às 17h na Mina, como informa o comunicado da prefeitura.

Para organizar os públicos imunizados, haverá também divisões por faixas etárias e horários: das 8h às 10h, moradores com idades entre 51 e 60 anos; das 10h às 12h, entre 41 e 50 anos; das 12h às 15h, dos 31 aos 40; e, por fim, as pessoas com idades antes 18 e 30 anos das 15h às 18h.

O estudo

Semelhante ao Projeto S, que vacinou 97,9% da população adulta de Serrana (SP) com a CoronaVac, o projeto da Fiocruz e a Universidade de Oxford imunizou 66 mil habitantes de Botucatu em 16 de maio e outros 5 mil uma semana depois, no dia 22.

O objetivo da pesquisa é descobrir a efetividade da vacina da Oxford após a primeira dose, após a segunda, sobre cada cepa circulante, o impacto da imunização em massa na transmissibilidade e o chamado efeito rebanho.

Desde o chamado ‘Dia D’ até este momento, a cidade já chegou a 124 mil pessoas vacinadas ao menos com a primeira dose, o que corresponde a cerca de 82% da população da cidade. Destas, mais de 36 mil já concluíram a imunização.

O estudo é realizado em parceria com a prefeitura de Botucatu, o Ministério da Saúde, a Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu e a Fundação Gates.

Últimas