Novo Coronavírus

São Paulo Butantan prevê retomada na entrega de vacinas para segunda (3)

Butantan prevê retomada na entrega de vacinas para segunda (3)

Previsão inicial era de que instituto concluísse o primeiro contrato com o Ministério da Saúde de 46 milhões de doses até o fim de abril

Instituto Butantan prevê retomada na entrega das vacinas para 3 de maio

Instituto Butantan prevê retomada na entrega das vacinas para 3 de maio

Governo do Estado de São Paulo - 19.04.2021

O Instituto Butantan afirmou, na manhã desta terça-feira (27) que a entrega de vacinas contra a covid-19 ao Ministério da Saúde deverá ser retomada no próximo dia 3 de maio. A previsão inicial era que o instituto concluísse o primeiro contrato com o Ministério da Saúde para o fornecimento de 46 milhões de doses até o fim de abril. Ao todo, restam ser entregues 3,2 milhões de doses.

Na segunda-feira (26), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou  em audiência virtual com senadores que está preocupado com o atraso na entrega de doses da CoronaVac, feita pelo instituto Butantan. A demora, segundo ele, está afetando a segunda aplicação em pessoas que já foram vacinadas.

Queiroga afirma que após a liberação das segundas doses para apressar a fila de vacinações do país, em março, inúmeros municípios acabaram chegando na data estabelecida para a segunda imunização contra a covid-19 sem ter as vacinas do Butantan.

"Tem nos causado certa preocupação a CoronaVac, a segunda dose. Se os senhores se lembram, há cerca de um mês se liberou as segundas doses para que se aplicassem [na primeira dose de outras pessoas da fila] e, agora, em face de retardo de insumo vindo da China para o Butantan, há uma dificuldade com essa segunda dose", explicou o ministro.

Até o dia 21 de março, Estados e municípios tinham como orientação do Ministério da Saúde estocar as segundas doses da CoronaVac. A partir de então, foi pedido que eles abrissem mão do armazenamento em função da chegada, considerada certa, de novos imunizantes na campana nacional contra a covid-19.

Últimas