Câmeras revelam briga entre torcidas em SP; 2 morreram

Confronto entre palmeirenses e santistas teria sido combinado pela internet e ocorreu em posto de combustíveis em Mauá, no último domingo (23)

Torcedor dispara durante confrontro em Mauá, na Grande SP

Torcedor dispara durante confrontro em Mauá, na Grande SP

Reprodução/Record TV

As câmeras de monitoramento de um posto de combustíveis em Mauá, na Grande São Paulo, registraram a briga entre torcedores de Palmeiras e Santos, após a partida realizada a quilômetros dali, no estádio do Morumbi, na zona oeste da capital paulista, na tarde do último domingo (23), válida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Dois jovens morreram em decorrência do confronto.

Leia também: Menino de 14 anos mata irmão de 12 a facadas em Itatiba, em SP

As imagens, obtidas pela Record TV, mostram o momento em que integrantes das torcidas pegam pedaços de madeira dentro de carros. Outro ângulo revela a aproximação de um grupo com aproximadamente 40 pessoas. Muitas delas cobrem o rosto para não serem identificadas.

Para a Polícia Civil, a briga teria sido combinada pelas redes sociais. Palmeirenses haviam ido até o local para comemorar a vitória do time no clássico paulista por 2 a 1, partida realizada sem a presença de público em função da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com testemunhas, um rapaz aguardava pela chegada de mais gente para iniciar a confusão. Ele teria dado o sinal para o início do embate violento — também foram usados barras de ferro e garrafas. 

As imagens indicam ainda um homem com o que parece ser uma arma. O suspeito mira na direção de santistas e dispara duas vezes. Em seguida, as vítimas caem no chão. As pessas tebtaran socorrer as vítimas, mas dois jovens — de 21 e 22 anos — morrem. 

Suspeitos

Segundo a polícia, o suspeito de atirar nos torcedores santistas é Jailson Folha dos Santos, de 21 anos. Ele teria tentando fugir em um carro, mas foi detido em seguida. O acusado de atirar nos santistas alega que tomou a atitude em legítima defesa. Em depoimento, ele teria confessado o crime.

"Como ele está em minoria, menor número lá no confronto, para defesa deles, resolveram sacar arma de fogo aí para tentar se defender, se desvencilhar das agressões", contou o comandante d GCM (Guarda Civil Municipal) de Mauá, André Luiz Gonçalves.

O suspeito teve a prisão temporária decretada pela justiça e responderá a inquérito por homicídio doloso (intencional). Outras duas pessoas foram detidas, mas liberadas.