São Paulo Caso Rafael Miguel faz um ano e polícia não tem pistas do assassino

Caso Rafael Miguel faz um ano e polícia não tem pistas do assassino

Investigação já procurou por mais de 300 endereços em dez estados e em dois países da América do Sul, mas ainda não encontrou Paulo Cupertino

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Paulo Cupertino Matias que está foragido da polícia há um ano

Paulo Cupertino Matias que está foragido da polícia há um ano

Reprodução/Polícia Civil

Um ano depois do assassinato do ator Rafael Miguel e de seus pais, a polícia ainda não tem pistas do paradeiro de Paulo Cupertino, apontado como o responsável pelo crime. Desde o assassinato, mais de 300 endereços em 10 estados e dois países da América do Sul já foram verificados pela polícia. As informações são da Record TV

Leia também: Exclusivo: assassino do ator Rafael Miguel fugiu com ajuda de amigos 

Paulo Cupertino Matias é considerado foragido da Justiça e procurado pela polícia desde o dia do crime. Até hoje a prisão preventiva de Cupertino não foi decretada, o que facilitaria nas buscas pelo criminoso. Existe apenas uma ordem de prisão temporária, que não permite, por exemplo, inserir o nome de Paulo Cupertino na lista dos mais procurados.

O crime aconteceu no dia 9 de junho de 2019. Cupertino atirou e matou o ator Rafael Henrique Miguel, de 22 anos, e os pais dele, João Aloizio Miguel, de 52 anos, e Mirian Selma Silva Miguel, de 50 anos. Ele fugiu em seguida e até hoje não foi encontrado.

Segundo a Polícia Civil, Paulo Cupertino cometeu o crime por não aceitar o namoro do ator Rafael com sua filha, Isabela Tibcheran.

De São Paulo ao Mato Grosso 

A partir de dois amigos, a investigação conseguiu traçar o caminho de Paulo Cupertino até três dias após o crime. No mesmo dia em que atirou no ator, o homem teria ido até Sorocaba, interior de São Paulo, para se encontrar com um dos amigos, Wanderley, na rodoviária do município.

De lá, a dupla teria ido à cidade de Águas de São Pedro, onde Cupertino procurou por uma amiga sua, que é líder espiritual. 

Em entrevista à Record TV, a mulher negou ter recebido Paulo Cupertino. "Nem pensar que eu recebi o Paulo aqui”, afirmou. “Tanto que no dia que eu soube fiquei mesmo chocada, porque a gente se conhecia lá em são Paulo. E meu irmão veio aqui e tudo, eu falei não vou receber, e ele nem apareceu aqui."

Logo depois, Wanderley contou que Cupertino e ele saíram de Águas de São Pedro e passaram por outro município, do qual ele não se lembra o nome. O plano era pedir ajuda para um outro amigo que também se negou a dar. Cupertino precisou dormir neste dia num hotel.

Três dias depois, Wanderley relata que se encontrou com Cupertino na rodoviária de Campinas. Lá, o amigo comprou uma passagem de ônibus utilizando o próprio nome para a cidade de Ponta Porã, no Mato Grosso, perto da divisa com o Paraguai. 

Desaparecimento 

Desde então, a investigação não localizou mais o assassino. Não se sabe se ele está fora do Brasil ou em outro estado. A polícia solicitou que o nome de Cupertino seja incluído na lista de foragidos da policia internacional, a Interpol.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afirmou, em nota, que o caso continua em investigação pelo 98º DP, que realiza buscas pelo autor do crime. "Todas as denúncias feitas foram apuradas, inclusive com diligências a diferentes endereços no estado. O caso está sob segredo de Justiça", informou o texto.

Últimas