Central produzia 'kit golpe' com RG e CNH  falsificados na zona leste de SP

Prisão de um homem suspeito de envolvimento no assassinato de um policial militar da Rota, no dia 20 de junho, levou a polícia a descobrir o local 

Documentos falsos encontrado com suspeito

Documentos falsos encontrado com suspeito

Divulgação

A prisão de um homem suspostamente envolvido no assassinato de um policial militar da Rota (Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar), em 20 de junho, levou a polícia para uma fábrica de documentos falsos no Jardim Santa Adélia, em Sapopemba, na zona leste de São Paulo.

De acordo com a Polícia Civil, no local foi encontrado diversas CNHs (Carteira Nacional de Habilitação), RGs e cartões. Os documentos falsos carregavam o rosto do suspeito, no entanto, a polícia apura se os demais dados são de pessoas aleatórias ou de pessoas que forneciam as informações sem saber para que seria usado.

As investigações do caso começaram a partir da prisão de um suspeito de matar o PM da Rota Jefferson Ferreira, em 20 de junho, na Vila Seabra, bairro também da zona leste de São Paulo.

Ainda conforme as investigações, os documentos falsos eram vendidos principalmente para assassinos e assaltantes foragidos da Justiça. A policia já sabe que estelionatários especializados em aplicar golpes em bancos também eram clientes da central de falsificação — que vendia até o chamado kit golpe. "Ele vendia já o kit completo. "Vinha com uma conta de luz, uma carteira de habilitação, um RG e aí ele já passava pra pesoa aplicar o golpe", afirma o delegado Fabio Pinheiro, responsável pelo caso.