São Paulo Centro Cervejeiro da Serra é referência em pesquisa e fonte de inspiração para mercado microcervejeiro no Brasil

Centro Cervejeiro da Serra é referência em pesquisa e fonte de inspiração para mercado microcervejeiro no Brasil

Local ainda é escola interna dos colaboradores da companhia com experimentação de receitas e aperfeiçoamento de profissionais do setor 

  • São Paulo | Renato Fontes, do R7 Conteúdo e Marca

Sede do Centro Cervejeiro da Serra em Teresópolis, no Rio de Janeiro

Sede do Centro Cervejeiro da Serra em Teresópolis, no Rio de Janeiro

Divulgação/Grupo Petrópolis

Não há dúvidas de que o consumo de cerveja é paixão nacional. Mas o cultivo e a fabricação do produto artesanal também estão ganhando mais espaço no coração do brasileiro. E esse sentimento se enxerga em números. De acordo com o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o Brasil chegou a 1.383 cervejarias registradas em 2020, aumento de 14,4% em relação a 2019.

O crescimento também se reflete na procura por cevada e principalmente lúpulo, planta responsável pelo aroma e amargor da bebida, ingredientes essenciais para a fabricação de uma cerveja de qualidade.

Para suprir a alta demanda no país, produtores brasileiros iniciaram o cultivo de lúpulo nacional, já que a indústria cervejeira importa quase 100% dessa matéria-prima de países que são referência no cultivo da planta da espécie humulus lupulus, como Alemanha, República Tcheca e Estados Unidos.

Em 2020, a área de plantio do lúpulo no Brasil aumentou 110% em relação a 2019, chegando a 42 hectares e 24 toneladas produzidas, segundo levantamento da Aprolúpulo (Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo) divulgado em agosto deste ano.

A movimentação no mercado de cervejas artesanais e a necessidade de intensificar a criação de “escolas” cervejeira brasileira, unindo cultura, formação de profissionais e espaço para experimentação, que inspirou o Grupo Petrópolis a investir no Centro Cervejeiro da Serra em Teresópolis (RJ).

Centro Cervejeiro da Serra

Capacidade produtiva do Centro Cervejeiro da Serra é de até 20 mil litros por mês

Capacidade produtiva do Centro Cervejeiro da Serra é de até 20 mil litros por mês

Divulgação/Grupo Petrópolis

Inaugurado em 2017 na região serrana do Rio de Janeiro, o Centro Cervejeiro da Serra (CCS) possui hoje 1200 m² de área e capacidade produtiva de até 20 mil litros por mês, afirma o Grupo Petrópolis.

O CCS é o responsável por engajar os profissionais que atuam no mercado cervejeiro brasileiro, além de capacitar os colaboradores do Grupo Petrópolis com workshops e treinamentos, como anfitrião do Science of Beer, que realizará a primeira turma de mestres e estilos sediado no CCS em 2021 e a segunda turma de Beer Sommelier também será realizada ainda neste ano.

A microcervejaria é dividida em três andares:

Térreo: recepção, central de CIP e envase.

Primeiro andar: área onde é possível observar princípios de engenharia e operações como lay-out das maquinhas e fluxos de produtos e pessoas através de um observatório.

Segundo andar: onde estão as áreas de produção, com brasagem, tanques fermentadores/maturadores, filtros, além de uma área de experiência conectada a cervejaria que dispõe de um bar com chopeiras, lounge e auditório de aulas.

A capacidade mínima de 500 litros é um ponto positivo para o estudo e teste de novas receitas. O espaço conta com 16 tanques de mil litros cada, e a linha tem capacidade de envase para três mil garrafas por hora. Dessa forma, o Centro Cervejeiro da Serra consegue apoiar também cervejarias artesanais da região, dando aos mestres cervejeiros mais flexibilidade para a criação de novas receitas.

Além disso, atende demandas pontuais, como beer festivals, feiras gastronômicas, cervejas sazonais e eventos, que necessitam de quantidade menor do que a capacidade mínima produzida em linhas de produção maiores.

De acordo com o Diego Gomes, ao abrir as portas para o desenvolvimento de cervejas colaborativas, o CCS espera romper barreiras como por exemplo da jornada de aprendizado que as grandes empresas têm ao se relacionarem com outras menores. “As cervejarias menores criam produtos diferenciados, formam novos consumidores, educam canais e geram percepção positiva para a cerveja", afirma o diretor industrial da marca.

Ainda segundo Diego, os pequenos produtores "são os autores de sua própria jornada, e o consumidor fala direto com os donos da arte. Por isso, queremos gerar oportunidades abrindo nossas portas e trabalhando ombro a ombro. Não consideramos nenhuma microcervejaria concorrente, mas parceiros resilientes que geram inovação nos ensinam e precisam de apoio de quem também já foi menor um dia”, conclui Diego Gomes executivo, mestre cervejeiro e diretor industrial do Grupo Petrópolis.

Celeiro de novos talentos

Espaço já conectou dezenas de mestres cervejeiros desde 2017

Espaço já conectou dezenas de mestres cervejeiros desde 2017

Divulgação/Grupo Petrópolis

O Centro Cervejeiro da Serra conta com docentes de altíssimo nível, executivos que hoje lideram parte da governança corporativa do Grupo. Além disso, o CCS também investe em tecnologia. Os equipamentos foram adquiridos em um leilão e integravam a cervejaria-escola do Senai em Vassouras (RJ), que encerrou as atividades em 2016.

Originários da Alemanha, esses maquinários são automatizados, entretanto, os mestres procuram produzir da forma mais artesanal possível. Assim, cumprem o objetivo de ter uma integração entre o mestre cervejeiro e a receita produzida.

Sala de brasagem, dezesseis tanques fermentadores/maturadores, enchedora, encaixotadora, desencaixotadora e inspetora eletrônica de garrafas se juntaram aos novos equipamentos no Centro Cervejeiro da Serra, que já foi usado para testes de centenas de receitas desde então, algumas delas oferecidas ao consumidor em edição limitada, em feiras como o Mondial de La Bière, o mais importante festival de cervejas internacionais na América, afirma o Grupo Petrópolis.

Diego Gomes comemora o sucesso do projeto. “Beber cerveja no Brasil está na forma de se relacionar. Quanto mais a gente avançar nessas questões, mais traremos provocações para aqueles que têm o prazer em saber sobre a cerveja. Gostar de cerveja é, antes de mais nada, ser apaixonado por gente”, destaca o diretor industrial do Grupo Petrópolis.

Últimas