Chamado de jovem agredida ao Samu em baile funk foi cancelado

Antes do cancelamento por parte de um soldado, chamada foi classificada como prioritária. Secretaria Municipal de Saúde confirma pedido cancelado

Na noite do domingo (1º), moradores de Paraisópolis fizeram protesto

Na noite do domingo (1º), moradores de Paraisópolis fizeram protesto

Jose Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo – 1.12.2019

Um chamado feito por uma jovem ao Samu, em Paraisópolis, na madrugada do último domingo (1º) durante o Baile da Dz7, foi cancelado por um soldado do Corpo de Bombeiros. As informações são da Record TV.

A jovem relatou durante a ligação que foi agredida. O chamado foi colocado como prioritário antes de ser cancelado. 

Na ocasião, após uma ação da Polícia Militar, nove jovens entre 14 e 23 anos morreram. A versão da corporação, contestada por alguns moradores e familiares de vítimas, é de que as mortes ocorreram em decorrência de um pisoteamento.

Procurada, a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo informou que foi encaminhada uma ambulância após registro de solicitação durante a madrugada de domingo (1), que a chamada foi classificada como alta prioridade e confirmou que houve o cancelamento do pedido.

A reportagem também procurou a Polícia Militar sobre o chamado. A corporação afirmou que "o Corpo de Bombeiros foi ao local solicitado, mas não conseguiu acesso às vítimas pois foram hostilizados". Além disso, informou que a Corregedoria da PM "instaurou inquérito e apura todas as circunstâncias do fato".