Coronavírus

São Paulo Cidade de São Paulo terá mais 725 novos leitos de UTI, diz Bruno Covas

Cidade de São Paulo terá mais 725 novos leitos de UTI, diz Bruno Covas

Segundo secretário de Estado, houve um crescimento de 14% no número de casos confirmados em São Paulo. Estado diz fazer dois mil testes por dia

  • São Paulo | Do R7

Bruno Covas acompanha obras nos hospitais de campanha em SP

Bruno Covas acompanha obras nos hospitais de campanha em SP

ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciou durante coletiva de imprensa, na tarde desta sexta-feira (27), que a capital terá mais 725 novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e mais 2.100 leitos de retaguarda. As autoridades falaram sobre as novas medidas de contenção ao novo coronavírus do estádio Paulo Machado de Carvalho, conhecido como Pacaembu. 

Leia mais: Em pandemia, cerca de 700 botijões de gás se esgotam em 2 horas

O secretário de Estado, José Henrique Germann, afirmou que nesta sexta-feira foram registradas 69 mortes em todo o estado. Segundo ele, houve um crescimento de 14% no número de casos confirmados. 

"A proteção a vida não é uma ação de esquerda, direita, centro, é uma ação humanitária. São medidas que independem de ações partidárias", afirmou Bruno Covas. "É o momento de pensar em vidas. O mundo inteiro tendo que se sacrificar", disse.

Leia mais: Governo anuncia repasse de R$ 218 milhões a 80 municípios de SP

O prefeito disse ainda que não gostaria de ter fechado o parque do Ibirapuera, porém seguiu as recomendações sanitárias. "Não é algo que eu gostaria de fazer, mas fiz assim que soube da situação de emergencia e calamidade pública tive que fazer."

"Espero que (essa política) possa surtir efeitos para mostrar para o mundo que seguimos a recomendação da ciencias para reduzir o número de mortos de paulistanos e paulistas", afirmou o prefeito.

Leia mais: Prefeitura instala pias para pessoas em situação de rua no centro

O prefeito afirmou que o estado vive a terceira fase da epidemia. "Passamos pela prevenção, para levar informação, pelas ações de isolamento, fase de contenção, e agora estamos nos preocupando com a terceira fase: a explosao dos casos e com as pessoas que vão precisar desses leitos", afirmou Covas. 

Ele disse ainda que "enquanto há pessoas preocupadas com a CLT, nossa preocupação é com o artigo 121 do Código Penal para nao ser responsabilizado por nenhum homicidio."

Últimas