Coronavírus

São Paulo Cidade de SP vacina adolescentes de 12 a 14 anos na segunda (6)

Cidade de SP vacina adolescentes de 12 a 14 anos na segunda (6)

Na mesma data, começa a ser aplicada a dose de reforço contra a covid-19 para idosos com mais de 90 anos e inscrição na xepa

  • São Paulo | Joyce Ribeiro, do R7

Cidade de SP vacina adolescentes de 12 a 14 anos a partir de segunda-feira (6)

Cidade de SP vacina adolescentes de 12 a 14 anos a partir de segunda-feira (6)

Divulgação / SES-SC

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta sexta-feira (3) que vai dar início à vacinação de adolescentes de 12 a 14 anos sem comorbidades contra a covid-19 na segunda-feira (6). O público estimado é de 360 mil pessoas. Na mesma data, as equipes começam a aplicar a dose de reforço para idosos com mais de 90 anos na capital. A campanha segue até o dia 12 para 52 mil pessoas.

"Vamos fazer a busca ativa em asilos, instituições de longa permanência públicas e privadas e aos indígenas aldeados em São Paulo", disse o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido.

Também na segunda, os moradores com mais de 60 anos que já tomaram as duas doses há pelo menos seis meses poderão se inscrever na xepa da vacina. Será preciso apresentar a carteirinha de vacinação e o comprovante de endereço.

Os adolescentes devem estar acompanhados pelos pais ou responsável na hora da vacinação. No caso de impossibilidade, é preciso ir com um adulto e apresentar autorização assinada pelo responsável.

Por causa das manifestações do feriado de 7 de setembro, não haverá vacinação em São Paulo. A campanha será retomada nos 700 postos na quarta-feira (8).

Vacinação

Neste sábado (4) continua a vacinação contra a covid-19 com prioridade para aplicação de segundas doses, uma vez que a capital tem 352 mil pessoas com a vacina em atraso. No domingo (5), haverá vacinação novamente em sete parques e em duas farmácias da avenida Paulista.

Segundo o secretário de Saúde, a cidade recebeu na quinta-feira (2) 393.400 doses de CoronaVac, 90.120 de AstraZeneca e 252.450 da Pfizer, usadas nas doses de reforço e na imunização de adolescentes. 

O prefeito Ricardo Nunes (MDB) ressaltou a queda no número de internações por covid-19 na cidade. Segundo ele, são 185 pacientes internados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 165 em enfermarias. Na terça-feira, eram 277 internados e, na quinta-feira retrasada, 333.

"Na cidade de São Paulo está sob o controle o número de leitos de UTI, ocupação de leitos de enfermaria e óbitos têm caído, mas estamos na pandemia. Temos a preocupação com a variante Delta e é necessraio que todos continuem usando máscaras, distanciamento social e álcool gel. Os números são bons, mas estamos em alerta", afirmou o prefeito.

O passaporte da vacina já é obrigatório para acesso a eventos com mais de 500 pessoas na capital.

Doses de reforço

O secretário de Saúde explicou que, para as doses de reforço, serão aplicadas, neste primeiro momento, as que estiverem disponíveis nas unidades básicas de saúde, de qualquer um dos fabricantes, incluindo a CoronaVac.

Já a partir do dia 15, a cidade deve receber mais doses da Pfizer, que será usada preferencialmente na aplicação das doses de reforço. 

Últimas