Novo Coronavírus

São Paulo Cidade de SP vai ampliar a testagem de moradores para covid-19 

Cidade de SP vai ampliar a testagem de moradores para covid-19 

Inquérito sorológico indica que capital tenha 1,2 milhão de infectados pelo novo coronavírus. Classe E tem três vezes mais chances de contaminação

  • São Paulo | Joyce Ribeiro, do R7

Cidade de SP vai ampliar a testagem de moradores para covid-19 , diz Covas

Cidade de SP vai ampliar a testagem de moradores para covid-19 , diz Covas

Reprodução

A cidade de São Paulo tem 1,2 milhão de infectados pelo novo coronavírus, segundo dados do inquérito sorológico fase 1 divulgado nesta quinta-feira (9) pela prefeitura. O prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou que vai ampliar o número de fases do inquérito de 5 para 9. "O resultado mostra o acerto da cidade ao apostra numa estratégia inédita no país para saber quais os distritos têm alata taxa de mortalidade e, com os dados, fazer uma reabertura com equidade", afirmou o prefeito.

A fase zero do inquérito havia indicado que 1.160.000 moradores da capital já tinham anticorpos para a SARS-Cov-2, numa taxa de prevalência de 9,5%. Agora, na etapa seguinte, a prefeitura estima que a taxa tenha chegado a 9,8%, com a ampliação do número de domicílios de 3,3 milhões para mais de 5,3 milhões. A margem de erro é 2,1%. A proporção de infecção assintomática foi de 32,8%.

Leia mais: Setenta parques municipais reabrem em SP na segunda-feira

Segundo o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, "a prevalência se mantém estavél, o que reflete uma atenção do município aos 90% de casos monitorados de covid-19, mesmo em um momento de reabertura na cidade".

São 14 distritos na capital considerados de "hotspots", ou seja, com o maior número de casos. São eles: Brasilândia, Cachoeirinha, Jaçanã, Liberdade, Santa Cecília, Cidade Ademar, Jardim São Luis, Campo Limpo, Capão Redondo, Parque São Lucas, Sapopemba, Itaim Paulista, Itaquera e Lajeado.

Veja também: Setores de audiovisual, tatuagem e pesquisa estão liberados em SP

Perfil sócio-demográfico

O inquérito sorológico aponta que a prevalência de contaminação pelo novo coronavírus é maior em pessoas de 35 a 49 anos de idade, que nunca estudaram, de raça parda e com renda nas faixas das classes D e E.

O levantamento também aponta que os casos são mais frequentes em domicílios com mais de cinco adultos, em cidadãos que não fizeram o isolamento social indicado e que trabalham fora de casa ou em regime misto.

De acordo com o prefeito, a pobreza e a vulneralibilidade social são fatores de risco para covid-19: "Precisamos reduzir desigualdades. É inaceitável que a taxa seja três vezes maior na classe E do que na A. O vírus jogou luz na desigualdade social da cidade".

Leia ainda: MP-SP abre inquérito para apurar a flexibilização da quarentena

Ampliação da testagem

Hoje a taxa de ocupação de UTIs na capital é de 49%. São monitorados 288.903 casos e 157.449 tiveram alta hospitalar. De acordo com o secretário Edson Aparecido, atualmente são realizados 5 mil testes do tipo PCR por dia, mas a capacidade de testagem será ampliada em mais 242 mil testes por mês.

"Vamos na casa das pessoas sintomáticas e já testadas e testaremos em média outros cinco contatos dela. Vamos dar atestado médico para que as pessoas fiquem em casa enquanto aguardam o resultado para reduzir a transmissibilidade do vírus", enfatizou o secretário de Saúde.  

A ideia é que com isso haja mais controle da disseminação do vírus no território e vai permitir também a flexibilização com maior equidade. Segundo a prefeitura, são decrescentes as taxas de novos casos de covid-19 na cidade.

Últimas